Polícia

Polícia flagra remédios ‘de origem duvidosa’ e interdita distribuidora

900 unidades de medicamentos foram apreendidas nas farmácias

Midiamax Publicado em 18/06/2015, às 20h36

None
capa.jpg

900 unidades de medicamentos foram apreendidas nas farmácias

A Polícia Civil e a Vigilância Sanitária Municipal de Campo Grande apreenderam 900 unidades de medicamentos e interditaram uma distribuidora durante a ‘Operação Pharmacos’, realizada nesta quinta-feira (18), na Capital. A ação tem o objetivo de localizar remédios que são supostamente vendidos ilegalmente em Mato Grosso do Sul.

De acordo com a titular da Deco (Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado), delegada Ana Cláudia Medina, as investigações iniciaram-se há duas semanas e hoje, as equipes policiais visitaram farmácias e distribuidoras de medicamentos.

Nesta manhã, 900 unidades de remédios de procedência duvidosa foram apreendidas em uma farmácia localizada no centro de Campo Grande. Além disso, uma distribuidora foi interditada.

Conforme Renata Rodrigues, chefe de serviço da fiscalização de medicamentos da Vigilância Sanitária Municipal, as irregularidades foram encontradas no armazenamento de medicamentos e em processos administrativos da empresa. “Eles estão em fase de defesa e final do procedimento isso pode ou não gerar multas, por isso foi necessário o fechamento do estabelecimento”, explica.

Já em outra distribuidora, que fica na saída para Três Lagoas, região leste de Campo Grande, a visita foi feita nesta tarde. Não foi divulgado se houve ou não apreensões ou interdições no local.

Agentes da perícia foram chamados para acompanhar o trabalho. Eles devem analisar se os medicamentos são irregulares ou não. “Por enquanto não vou dar detalhes da investigação, pois ela não termina hoje. Nos próximos dias, haverá mais fiscalizações”, explica a responsável pela operação.

Operação Pharmacos

Inicialmente foi divulgado que a operação visava apreender medicamentos do SUS (Sistema Único de Saúde), que estavam sendo comercializados ilegalmente em Mato Grosso do Sul, depois de serem roubados em Minas Gerais. A informação não foi confirmada pela Polícia Civil.

A ação contou com a participação da Deco (Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado), da Decon (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra as Relações de Consumo) e da Vigilância Sanitária Municipal.

Jornal Midiamax