Polícia

Polícia continua as diligências para tentar localizar suspeito de matar policial civil

Outros pontos estão sendo verificados para tentar encontrar o esconderijo de José Osmar 

Midiamax Publicado em 03/07/2015, às 12h03

None
fc30b4d946553c95c43ff5d591689144.jpg

Outros pontos estão sendo verificados para tentar encontrar o esconderijo de José Osmar 

A Polícia Civil continua as buscas para tentar encontrar José Osmar Freitas, o “Veinho”, de 27 anos, suspeito de matar o policial civil José Nivaldo de Almeida na tarde de domingo (28) em Tacuru, a 416 quilômetros de Campo Grande.

Segundo o delegado titular da Delegacia de Polícia Civil do município, Bruno Trento Hein, a área onde provavelmente José Osmar esteja escondido continua isolada para evitar a fuga.  O delegado contou também que outros pontos estão sendo verificados onde ele possa estar escondido.

Agora a polícia está checando outras informações para tentar localizá-lo e também não pode afirmar se José Osmar ainda está na cidade. O delegado pede para a população que sabe do paradeiro dele, denuncie na Delegacia de Polícia Civil pelo telefone (67) 3478-1199, ou pelo 190 da PM. As informações serão mantidas em sigilo.

O crime

José Osmar andava na rua armado e tinha atirado em um desafeto. José Nivaldo, que estava em casa, saiu, se identificou como policial e realizou a abordagem.

O policial rendeu o autor do crime e quando estava o algemando levou uma rasteira, caiu e foi morto com a própria arma.

Em consulta ao sistema processual do TJ MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) constam contra Osmar processos por tráfico de drogas, violência doméstica e furto.

Segundo caso em três anos

Este foi o segundo caso de assassinato de policial civil em Tacuru em três anos. Em setembro de 2012, o policial civil Miguel Holsbach foi alvejado quando assistia à televisão na sala de casa ao lado da mulher, uma funcionária pública municipal.

Ao ser atingido, o policial ainda teria tentado se esconder em um dos cômodos da residência, mas acabou não resistindo. Durante a ação criminosa a mulher do policial também acabou ferida com pelo menos quatro disparos. Ela foi socorrida e encaminhada para o Hospital Municipal local.

Dos dois suspeitos de envolvimento no crime na época, um está preso e outro foi morto a tiros no Paraguai depois de fugir da cadeia em Eldorado.

Jornal Midiamax