Polícia

PF encontra abandonado carro envolvido em perseguição com 3 mortes

A Polícia Federal investigará o caso

Midiamax Publicado em 10/11/2015, às 20h27

None
2.jpg

A Polícia Federal investigará o caso

A Polícia Federal encontrou nesta tarde, abandonado e vazio, o veículo Renault Duster, que foi perseguido por uma equipe policial no início desta terça-feira (10) no anel viário, saída para Três Lagoas. Durante a ação, a viatura policial capotou e colidiu em outros dois veículos, um Classic e uma motocicleta, causando a morte de três pessoas.

Segundo informações da assessoria de comunicação da PF, após o acidente equipes iniciaram diligência para localizar o veículo, que segundo informações preliminares estava carregado de drogas. Nesta tarde, o Renault foi localizado em um bairro da Capital, que não foi revelado, abandonado e vazio.PF encontra abandonado carro envolvido em perseguição com 3 mortes

Para a Polícia Federal, a suspeita é que os autores tenham descarregado o carro antes de fugir. As causas do acidente serão investigadas pelo próprio órgão, que já abriu um inquérito para apurar o ocorrido.

Acidente

A viatura da Polícia Federal perseguia um Renault Duster, que estaria carregado com droga. Durante a fuga, o Renault atingiu pelo menos três carros e, por isso, a equipe policial continuou com a perseguição.

Em determinado momento, o Duster teria atingido a viatura policial, uma caminhonete L200 Triton, fazendo o motorista perder o controle da direção e invadir a pista contrária.

Com isso a viatura atingiu o Classic, branco, placas NSB-8929 de Campo Grande (MS), que era conduzido por Antônio Muniz, de 56 anos, e a motocicleta Suzuki Intruder, vermelha, placa HTE-6856 de Campo Grande (MS), que era pilotada por Adriano Souza Oliveira, de 30 anos e tinha a mulher como passageira.

O motorista do Classic e o casal, que seguia na motocicleta, morrem no local. Os dois policiais que ocupavam a viatura não tiveram os nomes divulgados. Mas segundo a PF, tiveram ferimentos leves e foram encaminhados para a Santa Casa de Campo Grande pelo Corpo de Bombeiros, onde permanecem em observação.

Jornal Midiamax