Polícia

Namorada de lutador é hostilizada em redes sociais e suspeito permanece preso

Lutador agrediu a namorada e matou um dos hóspedes do Hotel Vale Verde

Midiamax Publicado em 20/04/2015, às 11h57

None
capa.jpg

Lutador agrediu a namorada e matou um dos hóspedes do Hotel Vale Verde

A namorada do lutador de jiu-jítsu Rafael Martinelli Queiroz, de 27 anos,foi hostilizada nas redes sociais. Queiroz foi preso no último sábado (18), depois de agredir a jovem e matar Paulo Cezar de Oliveira, de 49 anos, hóspede do Hotel Vale Verde, onde o casal também estava hospedado.

O crime aconteceu depois que o lutador descobriu que a jovem, de 24 anos, estava grávida. Segundo as informações, ele teria suspeitado de que o filho não era dele. Desconfiado que tivesse sido traído, ele agrediu a namorada e em seguida arrombou um dos quartos e matou a cadeiradas a vítima.

Nesse domingo (18), amigos do suspeito utilizaram uma publicação feita por ele no início do mês, para hostilizar a jovem. “Ódio de você [nome da namorada]. A culpa disso tudo foi sua!”, disse uma jovem em uma postagem.

Outra amiga do suspeito também comentou a publicação. “Você não vale o prato que come”, referiu-se a jovem. Dias antes do crime, o lutador também havia utilizado sua página do Facebook para publicar mensagens reflexivas.

Em outra postagem, do dia 6 de abril, Rafael fala sobre os julgamentos sem conhecê-lo. Com mais de 450 curtidas, os comentários revelam um lutador calmo e que nunca teria apresentado qualquer sinal de descontrole. “Deus e todos nós sabemos que você tem um coração bem maior que você. Estamos em oração”. Muitos pedem que não sejam feitos julgamentos precipitados e várias pessoas citam o dito popular “quem nunca errou que atire a primeira pedra”, em referência ao assassinato. 

Conforme informações da Polícia Civil, o lutador que foi preso em flagrante e encaminhado para uma das celas da Garras (Delegacia Especializada em Repressão a Roubo a Banco, Assaltos e Sequestros) e se mantém calmo.

Segundo a Polícia Civil, o flagrante foi registrado na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento comunitário) Piratininga e por conta do feriado, apenas, na próxima quarta-feira (22) será possível informar qual delegacia ficará responsável pela investigação.

Jornal Midiamax