Polícia

Mãe vai à delegacia pedir para soltar o filho e joga bolsa em delegado

Mulher, que aparentemente estava embriagada, foi presa por desacato 

Wendy Tonhati Publicado em 24/06/2015, às 10h14

Foto Ilustr
Foto Ilustr - Foto Ilustr

Mulher, que aparentemente estava embriagada, foi presa por desacato 

Mulher de 44 anos foi presa na noite da terça-feira (23) por desacatar um delegado da Polícia Civil. O caso aconteceu na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) da Vila Piratininga, em Campo Grande. E. H. A C foi até a delegacia pedir para a polícia soltar o filho dela. Ela fez escândalo, brigou e jogou uma bolsa na autoridade.

Consta no registro policial que o filho foi preso em flagrante por causa de um celular furtado. A mãe foi até a delegacia e solicitou uma audiência com o delegado. Após alguns minutos de conversa, a mulher passou a gritar com o delegado, que a mandou sair da sala.

Um investigador e uma escrivã presenciaram a mulher exigindo a soltura do filho e dizia ser ela a autora do delito. O delegado ainda argumentou com a mulher, dizendo que o filho dela era adulto e que a vítima do furto havia enviado mensagens solicitando a devolução do celular.

A mulher então chamou o delegado de estúpido e recebeu voz de prisão. Ela ainda jogou uma bolsa nele e foi contida. Um investigador tentou acalmar e retirar a mulher da sala, mas ela resistiu à prisão, não quis sair da sala e teve de ser algemada. O caso foi registrado como desacato e resistência. 

Celular desaparecido

O celular pertencia a uma adolescente de 16 anos e foi furtado em uma escola particular da Vila Taveirópolis. O aparelho tinha  localizador, a garota conseguiu contato com o ladrão e pediu o celular de volta.

Passados dois dias em negociação, o suspeito parou de atender as ligações e a garota foi até a delegacia. Os policiais do SIG (Setor de Investigações Gerais), por meio das mensagens trocadas, conseguiram ir até a residência do suspeito, identificado como Marco Antonio Urtado Vargas, de 18 anos.

Na abordagem, ele tentou jogar o cartão de memória, mas os policiais constataram que era o celular da vítima. O rapaz disse que havia ganhado o celular de presente. A mãe, que é funcionária da escola onde a vítima estuda, disse que um aluno achou o aparelho e deu para ela. Depois, ela presenteou o filho. Porém, o rapaz não contou a mesma história aos policiais. 

Jornal Midiamax