Polícia

Denúncia de extorsão teria sido manobra para ‘fugir’ de investigação que vazou

Depoimento revela que 'amiga na delegacia' teria vazado investigação

Evelin Cáceres Publicado em 29/04/2015, às 12h20

None
bueno.jpg

Depoimento revela que ‘amiga na delegacia’ teria vazado investigação

Fontes policiais afirmam que o ex-vereador Alceu Bueno só teria procurado a polícia para denunciar o crime de extorsão envolvendo o ex-vereador Robson Martins e Luciano Pageu quando soube que já havia uma investigação contra ele por crime sexual. O advogado de Bueno, Abadio Rezende, negou a tentativa nesta quarta-feira (29) e disse que o político é ‘vítima da situação’.

“Não existe isso, não tinha como o Alceu Bueno saber desta informação”, defendeu. No entanto, supostas reuniões de emergência e rumores que chegaram a circular nos corredores da Câmara Municipal de Campo Grande, segundo admitiram vereadores, são indícios de que o escândalo foi conhecido bem antes de se tornar público com a reportagem do Jornal Midiamax, na noite de sexta-feira (17).

Os flagrantes haviam acontecido na véspera, mas houve grande resistência por parte das fontes em confirmar ao jornal as informações. Até mesmo o diretor-geral da Polícia Civil, Roberval Maurício Cardoso Rodrigues, admitiu em coletiva que levou o assunto da investigação ao conhecimento do governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

Reinaldo ‘endossou’ a investigação, segundo o delegado. No entanto, não há juridicamente nenhuma necessidade de a Polícia Civil ‘pedir autorização’ para cumprir a obrigação da instituição. As declarações chegaram a ser questionadas por servidores da segurança pública que criticam a ‘influência política’ na atuação policial.

O próprio ex-vereador e missionário Alceu Bueno, em depoimento no inquérito policial, cita suposto ‘vazamento de informação policial’. Ele afirma que Luciano o alertou sobre uma investigação de exploração sexual e disse ter uma ‘amiga conhecida’ na delegacia, que teria visto a investigação. A Polícia Civil não se manifestou a respeito.

Segundo Alceu Bueno, Luciano teria dito que seu nome não estava envolvido. Outro fato que demonstraria que o ex-vereador sabia da investigação é uma das primeiras falas do Luciano para ele. Em depoimento, Bueno afirma que Luciano teria dito “caíram umas meninas que iam te extorquir”. Uma expressão do jargão evangélico ainda teria sido usada para ‘comemorar’: ‘Deus te blindou’.

Já nesta semana, o juiz Waldir Peixoto Barbosa encaminhou a investigação de extorsão denunciada pelo ex-vereador Alceu Bueno a 7ª Vara Criminal de Competência Especial, relacionada aos autos de favorecimento da prostituição ou outra forma de exploração sexual que envolvem o político.

O pedido foi feito pelo promotor Candy Hiroki Moreira, que argumentou que a investigação de extorsão foi instaurada na 5ª Vara Criminal após a investigação de exploração sexual, já em andamento na Justiça.

“Frise-se que a conexão, no presente caso, é inequívoca, uma vez que, não obstante o crime tratado neste feito ter sido perpetrado para obter vantagem em relação aos fatos delituosos tratados naqueles autos (art. 76, II CPP), há também evidente conexão probatória, posto que as provas produzidas neste feito são de vital importância na elucidação dos fatos narrados naquele outro procedimento (art. 76, III CPP)”.

Os autos da 7ª Vara apuram o envolvimento de Fabiano Otero como suposto aliciador das adolescentes no caso de exploração sexual. Segundo os depoimentos, ele usaria os perfis das meninas para oferecer programas aos políticos.

Com a unificação, todos os envolvidos serão julgados pela 7ª Vara.

Jornal Midiamax