Bando alugava equipamento por R$ 30 mil para arrombar caixas eletrônicos

Bando migrou de MT para MS
| 23/07/2015
- 23:53
Bando alugava equipamento por R$ 30 mil para arrombar caixas eletrônicos

Bando migrou de MT para MS

Uma quadrilha especializada em arrombamento de caixas eletrônicos que alugava equipamentos sofisticados por R$ 30 mil para praticar delitos,  trocava de residência com frequência e de aparelhos de celulares foi presa na tarde de quarta-feira (22) depois de ter cometido delito em uma farmácia localizada no Jardim Noroeste, região leste de Campo Grande.

Os envolvidos foram identificados como Renato Raimundo, de 30 anos, Melrison da Silva, de 29 anos, Fábio de Jesus Barbosa Junior, de 25 anos, Gilbert do Nascimento Rondon, de 39 anos, Jorge Antônio Siqueira, de 39 anos, e a esposa dele Daniela Cristina Pereira da Silva, de 32 anos. O grupo que agia em Rondonópolis e Cuiabá, Mato Grosso, acabou migrando para Campo Grande há aproximadamente dois meses.

A prisão e a investigação foram feitas pela Inteligência da Polícia Civil e pelo Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco, Assaltos e Sequestros). Os delegados Edilson Santos e Fábio Peró, estiveram à frente da operação e afirmaram que ainda há outros envolvidos que estão foragidos.

Um deles é o proprietário dos equipamentos que eram usados nos roubos. Foi apreendida a ‘solda oxi’ que com eletrodos corta ferro, também maçaricos que abriam os terminais eletrônicos. Além de um aparelho que desarma alarme e outro que bloqueia sinal de rádio.

“Mesmo que eles falhassem no momento em que desarmasse um alarme, o outro aparelho bloqueava sinal de rádio, celular e outros equipamentos, não permitindo que a central de segurança soubesse que estava havendo um furto”, ressalta o delegado Edilson.

O bando também se revezava e utilizava apelidos, tudo para despistar a polícia, caso algum membro fosse preso. “Cada um tinha uma função específica no crime, porém o rateio do valor furtado não era igualitário”, frisa o delegado Peró.

O casal Jorge e Daniela era responsável pelo aluguel do imóvel, que ficava nas proximidades do próximo crime. No local foram descobertos vários objetos e eletrônicos de luxo adquiridos com o dinheiro do crime.

“Essa foi a maneira de ‘lavar o dinheiro’ do crime. O casal também adquiriu vários veículos de luxo, entre eles, um Jetta que custa aproximadamente R$ 80 mil”, conta um dos delegados envolvidos na operação.

Já Gilbert e Renato eram os responsáveis pelo arrombamento e os demais pelo manuseio dos equipamentos. Inclusive, parte do bando chegou a fazer cursos especializados para manipular os equipamentos eletrônicos.

Em Mato Grosso, a quadrilha é apontada por realizar 12 arrombamentos, sendo 9 com sucesso. Já em Campo Grande, ela teria praticado 4, sendo no dia 14 de junho no prédio da Iagro (Agência Estadual de Vigilância Sanitária), 8 de julho no Jardim Aero Rancho, no Jardim das Meninas em 12 deste mês e o último na madrugada de ontem no Jardim Noroeste.

Além dos veículos, objetos de luxo, equipamentos eletrônicos, também foram apreendidos um revólver calibre 38 e munições, R$ 15.950 e documentos falsos apresentados por Melrison e Fábio.

O bando vai responder pelos crimes de associação ao crime, documento falso, lavagem de dinheiro, porte ilegal de arma de fogo e furto qualificado.

Veja também

Operação conjunta entre as forças de segurança do Brasil e Paraguai já destruiu mais de 500 toneladas de maconha

Últimas notícias