Polícia

AGORA: Senadores de MS são favoráveis à votação aberta em julgamento de Delcídio

Moka também falou em nome de Simone

Jessica Benitez Publicado em 25/11/2015, às 21h57

None
moka.jpg

Moka também falou em nome de Simone

O senador Waldemir Moka (PMDB) falou em nome da bancada sul-mato-grossense durante sessão de julgamento para definir se Delcídio do Amaral (PT) continua preso. O peemedebista anunciou ser favorável à votação aberta, ou seja, sem ocultar identidade dos votantes.

“O povo de Mato Grosso do Sul quer saber como votamos. E a Simone (Tebet) me autorizou a falar que somos favoráveis ao voto aberto”, disse. Mesmo assim, após ouvir inúmeros parlamentares, a Mesa Diretora optou pelo voto secreto. Desta forma, a população não vai saber a opinião de cada um.  

Delcídio, líder da presidente da República Dilma Rousseff (PT), já prestou depoimento à Polícia Federal e permanece preso desde a madrugada desta quarta-feira (25). Ele é acusado de tentar obstruir trabalho da Operação Lava Jato, instaurada para apurar esquema de corrupção na Petrobras.

Nos depoimentos colhidos no decorrer da investigação o ex-diretor na estatal, Nestor Cerveró, citou o nome do petista na articulação para compra da refinaria de Pasadena, no Texas (EUA), contrato esse supostamente usado para desvio de dinheiro público e caso que desencadeou a Lava jato.

A prisão foi autorizada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) após denúncia de que Delcídio teria ofertado mesada de R$ 50 mil para que Cerveró não aceitasse delação premida, bem como não mencionasse seu nome à polícia. A conversa foi gravada por um filho do ex-diretor e repassada pela PGR (Procuradoria-Geral da República) ao Supremo para embasar o pedido de prisão.

Jornal Midiamax