Segundo a polícia, dos seis que estão detidos, quatro são adolescentes. Não se sabe ainda a idade dos outros dois que estão sendo procurados. Os policiais da 1ª Delegacia de Polícia Civil trabalham nesta terça-feira para fazer o pedido de prisão preventiva dos oito suspeitos.

Três testemunhas envolvidas no crime foram ouvidas e, durante a investigação, alguns membros da liderança indígena também foram entrevistados. Os autores do crime confessaram, para algumas pessoas da reserva, que tinham violentado e matado a adolescente. Na delegacia eles também acabaram confirmando a autoria do crime.

Confissão

Segundo relato dos suspeitos, na noite do dia 5 de julho eles retornavam de uma festa na região, quando encontraram com a menina. Um dos adolescentes teria conversado e tentado manter relação sexual com a vítima.

Diante da negativa, o rapaz a levou para o meio da plantação e a estuprou. Em seguida, os companheiros fizeram o mesmo e mantiveram relação forçada com a indígena. Após o ato, resolveram matar a garota com medo de serem descobertos.

Seis dias depois, ao encontrarem o corpo da adolescente, lideranças indígenas começaram a identificar os suspeitos por meio de relatos de pessoas que souberam do ocorrido e acionaram a polícia.

Segundo o delegado Adilson Stiguivitis, que cuida do caso, todos os envolvidos serão indiciados pela morte da jovem.