Polícia

Músico diz ter sido agredido por PMs; polícia nega

O músico e compostior Deivis Brum, 34, afirma ter sido agredido sem motivo por policiais militares na noite de sábado (25), na Vila Jacy, em Campo Grande. Ele compartilhou no domingo (26) em seu Facebook imagens de agressões em seu corpo contando a história. Segundo Deivis, por volta das 21 horas, ele foi levar o […]

Arquivo Publicado em 29/01/2014, às 14h24

None
852492326.jpg

O músico e compostior Deivis Brum, 34, afirma ter sido agredido sem motivo por policiais militares na noite de sábado (25), na Vila Jacy, em Campo Grande. Ele compartilhou no domingo (26) em seu Facebook imagens de agressões em seu corpo contando a história.

Segundo Deivis, por volta das 21 horas, ele foi levar o baterista de sua banda até o Terminal Bandeirantes e na volta a gasolina acabou próximo da feira do bairro. “Fechei o carro e, como estava perto de casa, fui correndo para casa pegar um galão. Quando eu estava na frente de casa uma viatura atravessou na contra mão, me mandou parar”, conta.

O músico disse que estava na frente de sua residência e que não tem nada e não havia feito nada para ser parado por policiais. “Um me empurrou no muro da casa do vizinho e começou a me socar, dizendo que eu ia ser preso. Comecei a gritar, minha esposa e os vizinhos saíram, eles perguntavam por que os policiais estavam fazendo aquilo e eles diziam que era o trabalho deles, sem explicar”, relata.

De acordo com Deivis, os policiais arrancaram sua bermuda, o jogaram no chão, pisaram nele, tentaram degolar e enforcá-lo. “Todo mundo viu, até meu filho de 9 anos. As marcas nos meus braços são das unhas do policial, que me arranhou”, diz, confirmando ter testemunhas. O músico, que estuda publicidade, alega  ainda ter sido chamado de vagabundo.

“Quero denunciar para que esses covardes não façam mais isso com ninguém”, declara Deivis. Ele diz recordar o nome de um dos policiais. “Acho que era Thelsom, não lembro se soldado ou sargento. O outro tirou a etiqueta para me bater”, revela.

Outra versão

A versão da Polícia Militar é uma história completamente diferente da de Deivis. Segundo a PM, Deivis tem passagens pela polícia, por desordem, furto e roubo e chegou a cumprir pena. De acordo com o boletim de ocorrência, os policias faziam ronda, fizeram ordem de parada com giroflex e sirene e o músico empreendeu fuga, impossibilitando a revista policial.

Conforme registrado no boletim de ocorrência, Deivis começou a gritar que estava sendo agredido e desacatou os policiais, chamando-os de “nazistas” e “filho da puta”, além de fazer ameaças. A PM relata que houve aglomeração dos vizinhos, que ele tentou fugir novamente e foi pego, recebendo voz de prisão por desacato e resistência.

A assessoria também ressaltou que o músico apresenta escoriações por conta da resistência e conta que o autor responderá por ter lesionado um dos policiais.

Jornal Midiamax