Polícia

Polícia prende homem que executou idoso que não conseguiu correr de assalto

Renato Rodrigues da silva Domingues e dois adolescentes, um de 16 e outro de 17,m foram presos pela prática de roubo e envolvimento em um homicídio que aconteceu em um bar, na cidade de ribas do Rio Pardo. O homem, que já possuía registros policiais, assassinou um idoso porque ele não teve forças para correr […]

Arquivo Publicado em 30/10/2012, às 20h56

None

Renato Rodrigues da silva Domingues e dois adolescentes, um de 16 e outro de 17,m foram presos pela prática de roubo e envolvimento em um homicídio que aconteceu em um bar, na cidade de ribas do Rio Pardo. O homem, que já possuía registros policiais, assassinou um idoso porque ele não teve forças para correr durante o roubo.

De acordo com a polícia, no dia 28 de agosto Renato Rodrigues, o Gordinho, entrou no bar na companhia de dois adolescentes e anunciou um assalto. Uma mulher gritou e com isso todos ocupantes do local correram pelas portas do fundo. Um idoso, conhecido na região como Pereirinha, não teve forças para correr devido a idade avançada. Ele foi assassinado a tiros como “exemplo”, conforme depoimento do autor confesso.

A morte de Pereirinha causou comoção na cidade, já que ele era sem parentes e como morava ao lado do bar sempre ia lá conversar com as pessoas que ale trabalhavam. O idoso era visto como figura folclórica de Ribas do Rio Pardo.

Os dois adolescentes e um homem que forneceu a arma para o crime foram presos logo em seguida e Gordinho no dia 24 de outubro, já que depois do crime ele passou a se esconder em um brejo e só vinha para a cidade durante a noite.

De acordo com o delegado de Ribas do Rio Pardo, Reginaldo Salomão, policiais civis foram designados para uma campana no brejo onde estava o fugitivo e com isso conseguiram prender Renato quando ele seguia para a casa de sua mãe.

À autoridade policial Renato confessou que já havia assassinado outras duas pessoas na adolescência no Estado de São Paulo, e que seu irmão pertence a uma organização criminosa e, embora possua as tatuagens características de quem participa destas organizações declarou ser apenas simpatizante. Renato aguarda vaga no presídio em uma das celas da delegacia local.

Jornal Midiamax