Polícia

Governador volta atrás e mantém 5% de reajuste para policiais civis e militares

“As negociações salariais não se afligem a um único setor. Existem motivos para que haja diferenciações, que serão feitas para aqueles que merecem. Portanto, as negociações retornam todas ao patamar de 5%, ou seja, voltam a estaca zero"

Arquivo Publicado em 23/04/2012, às 14h36

None

“As negociações salariais não se afligem a um único setor. Existem motivos para que haja diferenciações, que serão feitas para aqueles que merecem. Portanto, as negociações retornam todas ao patamar de 5%, ou seja, voltam a estaca zero”

Durante evento no Palácio Tiradentes, na manhã desta segunda-feira (23), o governador do Estado, André Puccinelli (PMDB) declarou que as negociações salariais com os policiais civis e militares voltaram à estaca zero.

André salientou que há motivos para que haja diferenciações com demais servidores e que fará o rejuste apenas para aqueles que “merecem”.

O secretário de Justiça e Segurança Pública, Wantuir Jacini, também esteve no evento e disse que tem ‘brigado pela categoria e que as negociações ainda estão em andamento’.

O prazo para encaminhar o pedido de rejuste à Assembleia Legislativa vence no dia 2 de maio, segundo Jacini. Enquanto isso, militares e policiais civis se mobilizam para que o pedido de rejuste seja aceito.

Contudo, o governador declarou que, após alguns incidentes ocorridos na semana passada – como a panfletagem da reportagem da revista IstoÉ, intitulada “As provas sumiram”, durante a paralisação dos policiais civis na última quinta (19) e a Operação Tolerância Zero – as negociações voltaram a estaca zero.

“As negociações salariais não se afligem a um único setor. Existem motivos para que haja diferenciações, que serão feitas para aqueles que merecem. Portanto, as negociações retornam todas ao patamar de 5%, ou seja, voltam a estaca zero”, afirmou.

Questionado sobre a operação padrão das policiais civis e militares, ele não quis conversar. “Não comento sobre isso”

Irritado, o governador disse que não iria comentar nada sobre a operação Tolerância Zero, deflagrada pela Polícia Civil e apontou para o secretário de segurança, para que ele falasse sobre o assunto.

Jacini limitou-se a dizer que tem brigado pela categoria, solicitando concursos, cursos e buscando equipamentos.

“Brigo pela categoria diariamente e o governador tem até o dia 2 de maio pra enviar mensagem a Assembleia Legislatva do valor do aumento do salário do soldado, cabos, policiais civis e demais patentes.

Jornal Midiamax