Polícia

Rapaz que matou a ex-sogra e feriu a ex-esposa é preso em Juti

Em Juti, a 311 quilômetros de Campo Grande a polícia capturou um rapaz que está sendo acusado de ter matado a ex-sogra e ferido gravemente a ex-mulher na cidade de Ponta Porã, na fronteira com o Paraguai. O duplo crime ocorreu na noite de quarta-feira passada, por volta das 21h30 no Jardim Marambaia. O acusado Cícero […]

Arquivo Publicado em 30/01/2010, às 13h19

None

Em Juti, a 311 quilômetros de Campo Grande a polícia capturou um rapaz que está sendo acusado de ter matado a ex-sogra e ferido gravemente a ex-mulher na cidade de Ponta Porã, na fronteira com o Paraguai. O duplo crime ocorreu na noite de quarta-feira passada, por volta das 21h30 no Jardim Marambaia.


O acusado Cícero Adriano de Oliveira, que já tem várias passagens pela polícia por ameaça, agressão física, perturbação do sossego e por violência doméstica, teria chegado à casa da ex-sogra, Nadir Cardoso de Magalhães, de 47 anos, a procura de sua ex-esposa, Samara Cardoso Magalhães, de 19 anos. Informações de testemunhas repassadas à polícia, constam que o casal teria convivido certo tempo junto e já havia se separado por conta dos atos violentos, supostamente praticados pelo acusado, que consumia bebida alcoólica e fazia também o uso de drogas.


 Na noite do crime, o rapaz chegou a residência da ex-sogra e alterado após um desentendimento, teria matado um cachorro pertencente à ela, posteriormente passou a atirar contra as mulheres. Após cometer o duplo crime, Cícero Adriano teria fugido do local em uma moto de cor vermelha, de origem estrangeira, segundo testemunhas, enquanto Nadir Magalhães não resistiu aos ferimentos e morreu no local e a filha dela, Samara Magalhães, foi levada para o pronto-socorro do Hospital Regional de Ponta Porã e após ser submetida à cirurgia foi colocada fora de risco de falecer.


LOCALIZADO


 Cícero Adriano após evadir-se de Ponta Porã tomou rumo ignorado, no entanto, no final da manhã de ontem um telefonema anônimo endereçado ao 2º DP (Distrito Policial) da cidade dava conta de que ele havia sido visto na praça central de Amambai e a informação foi repassada para a Polícia Civil daquela cidade, que passou a atuar também no caso. Após realizarem diligências sem sucesso pela região de Amambai atrás do suposto autor do duplo atentado, os policiais passaram a apurar um possível destino dele.


Em um ponto de moto-taxi de Amambai, a Polícia Civil apurou que um dos mototaxistas teria pegado uma corrida no valor de 120 reais para levar um rapaz até Jutí. De posse desta informação, os policiais que já sabiam que Cícero Adriano teria familiares em Naviraí, acionaram as polícias Civil e Militar de Juti e eles passaram a realizar buscas para a sua captura.


Os policiais de posse das informações que o mototaxista teria seguido com Cícero Adriano pela rodovia MS-289, ligando Amambai a Jutí, a Polícia Civil de Amambai comunicou uma equipe do DOF (Departamento de Operações de Fronteira) que também passou a atuar no caso e saiu ao encalço do fugitivo. Apesar de todo o sistema de barreiras montado e viajando na garupa do mototaxista, Cícero Adriano conseguiu chegar até Jutí, onde de acordo com a Polícia Civil, ao chegar na cidade, ele teria ligado para supostos familiares das vítimas em Ponta Porã com supostas ameaças.


 Ainda em Juti, Cícero Adriano foi preso por uma equipe de Polícia Militar no momento em que ele se preparava para embarcar em um ônibus com destino a Naviraí. Ao ser preso, ele confessou o duplo crime e que havia pegado a arma emprestada de um vigia de um posto de combustível e depois de efetuar os tiros contra as mulheres, teria devolvido. Esta informação ainda será apurada pela polícia.


Após a prisão, Cícero Adriano foi levado para a delegacia de Polícia Civil de Jutí onde posteriormente seria recambiado para Ponta Porã para ser autuado em flagrante pelo crime de homicídio doloso e tentativa de homicídio doloso e caso condenado poderá pegar até 50 anos de prisão.

Jornal Midiamax