Os ataques aéreos liderados pelos EUA contra os rebeldes Houthi do em resposta às investidas a navios do Mar Vermelho mataram pelo menos cinco pessoas e feriram seis na madrugada desta sexta-feira, 12, disseram os Houthis. O ataque também ameaçou desencadear um conflito regional sobre a guerra de Israel contra o Hamas, que a administração Biden e os seus aliados têm tentado acalmar há semanas.

Ainda não está claro a extensão dos danos causados pelos ataques dos EUA, embora os Houthis tenham afirmado que pelo menos cinco locais, incluindo campos de aviação, foram atacados. O disse que seus ataques atingiram um local em Bani alegadamente usado pelos Houthis para lançar drones, e acertaram também um campo de aviação em Abbs usado para lançar mísseis de cruzeiro e drones.

Hussein al-Ezzi, um funcionário Houthi no Ministério das Relações Exteriores, reconheceu um “ataque massivo” de navios, submarinos e aviões de guerra americanos e britânicos. “EUA e Reino Unido terão, sem dúvida, de se preparar para pagar um elevado e suportar todas as terríveis consequências desta agressão flagrante”, escreveu al-Ezzi online.

Mohammed Abdul-Salam, o principal negociador e porta-voz dos Houthis, descreveu separadamente os EUA e o Reino Unido como tendo “cometido tolices com esta agressão traiçoeira”.

“Eles estavam errados se pensavam que iriam dissuadir o Iêmen de apoiar a Palestina e Gaza”, escreveu ele. “Os alvos Houthi continuarão a afetar os navios israelenses ou aqueles que se dirigem aos portos da Palestina ocupada”, disse.

Em Saada, reduto dos Houthis no noroeste do Iêmen, centenas de pessoas se reuniram para uma manifestação na sexta-feira. A multidão gritava o slogan Houthi: “Deus é o maior; morte à América; Morte a Israel; amaldiçoamos os judeus; vitória para o Islã”.

O Irã, que forneceu armas e ajuda aos Houthis, condenou o ataque numa declaração do porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Nasser Kanaani. Fonte: Associated Press.