O ministro das Relações Exteriores da China, Qin Gang, alertou na terça-feira, 6, que Pequim e estão caminhando para “conflito e confronto” se os EUA não mudarem de rumo, adotando um tom combativo em um momento em que as relações entre as duas potências estão em baixa histórica.

Em sua primeira entrevista coletiva desde que assumiu o cargo no fim do ano passado, a linguagem áspera de Qin parecia desafiar as previsões de que a China poderia abandonar sua diplomacia agressiva em favor de uma retórica mais moderada. Os dois países se enfrentam por causa de comércio e tecnologia, Taiwan, direitos humanos e a invasão da Ucrânia pela Rússia.

“A política de Washington para a China desviou-se totalmente da trilha racional e sólida”, disse Qin a jornalistas à margem do do Povo, quando os líderes estabelecem suas prioridades econômicas e políticas para o próximo ano.

“Se os EUA, em vez de pisarem no freio, continuarem a acelerar no caminho errado, nenhuma barreira poderá impedir o descarrilamento e certamente haverá conflito e confronto”, disse Qin, cujo novo cargo responde ao oficial de política externa do alto escalão do Partido Comunista, Wang Yi. “Essa competição é uma aposta imprudente com o que está em jogo, como os interesses fundamentais dos dois povos e até mesmo o futuro da humanidade “

Os comentários de Qin ecoaram o discurso do líder chinês, Xi Jinping, na segunda-feira aos legisladores.

“Os países ocidentais liderados pelos EUA implementaram contenção, cerco e repressão total à China, o que trouxe graves desafios sem precedentes ao desenvolvimento de nossa nação”, disse Xi à agência oficial de notícias Xinhua.

“Diante disso, a China deve manter a calma, manter a concentração, buscar o progresso mantendo a estabilidade, tomar ações ativas, unir-se como um só e ousar lutar”, disse ele.

Questionado sobre os comentários de Qin e Xi, o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, John Kirby, disse que a política dos EUA para a China permaneceu consistente.

“Não há mudança na posição dos EUA quando se trata dessa relação bilateral”, disse Kirby. “O presidente acredita que essas tensões obviamente devem ser reconhecidas, mas podem ser trabalhadas. E novamente buscamos a competição, não o conflito “

As autoridades americanas estão cada vez mais preocupadas com os objetivos políticos e econômicos expansivos da China e a possibilidade de uma guerra por causa de Taiwan – e muitos em Washington pediram que os EUA façam um esforço maior para combater a influência chinesa no exterior.

Troca de acusações

Nas últimas semanas, as preocupações com a chinesa nos EUA e as campanhas de influência de Pequim no país atraíram uma preocupação especial, e as autoridades das duas potências frequentemente trocaram acusações.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, cancelou uma visita planejada a Pequim depois que Washington derrubou um suposto balão espião chinês que sobrevoava o território americano. O enorme balão e sua carga útil, incluindo componentes eletrônicos e óticos, foram recuperados do fundo do oceano e estão sendo analisados pelo FBI.

Na semana passada, a China respondeu com indignação quando as autoridades dos EUA levantaram novamente a questão sobre a origem da pandemia de covid-19, afirmando que poderia ter tido início com um vazamento de um laboratório chinês. O Ministério das Relações Exteriores acusou os EUA de “politizar a questão” na tentativa de desacreditar a China.

E os dois países trocaram palavras furiosas sobre Taiwan, enquanto a China intensificou seu isolamento diplomático e assédio militar à democracia autônoma da ilha que reivindica como seu próprio território.

Qin – que serviu brevemente como embaixador em Washington e ganhou reputação por suas duras condenações aos críticos da China quando era porta-voz do Ministério das Relações Exteriores – abordou todos esses tópicos na terça-feira.

Ele criticou Washington por derrubar o balão, repetindo as afirmações de que sua aparição nos céus dos EUA foi um acidente

“Nesse caso, a percepção e as visões dos EUA sobre a China estão seriamente distorcidas. Eles (americanos) consideram a China seu principal rival e o desafio geopolítico de maior consequência”, disse Qin.

Em Taiwan, Qin chamou a questão de a primeira linha vermelha que não deve ser cruzada. China e Taiwan se separaram em meio à guerra civil em 1949. Embora os EUA não defendam a unificação nem a independência formal de Taiwan, Washington é obrigado por lei federal a garantir que a ilha tenha meios de se defender se for atacada.

“Os EUA têm uma responsabilidade inquestionável por causar a questão de Taiwan”, disse ele, acusando os americanos de “desrespeitar a soberania e a integridade territorial da China”, por oferecer à ilha apoio político e fornecer armas defensivas em resposta à ameaça de Pequim de usar a força para colocá-la sob controle chinês.

“Por que os EUA pedem à China que não forneça armas para a Rússia, enquanto continua vendendo armas para Taiwan?”, perguntou Qin.

Ucrânia

Em Taipei, o ministro da Defesa, Chiu Kuo-cheng, disse que as forças armadas não estão buscando um conflito direto com os militares da China, mas também não recuariam no caso de aeronaves ou navios chineses entrarem nos mares costeiros ou no espaço aéreo de Taiwan.

“É dever das forças armadas da nação montar uma resposta apropriada”, disse Chiu Kuo-cheng aos legisladores.

Pequim também acusou o Ocidente de “atiçar as chamas” ao fornecer à Ucrânia armamento para se defender da invasão russa. A China diz que tem uma posição neutra na guerra, mas também uma “amizade sem limites” com a Rússia e se recusou a criticar a invasão de Moscou – ou mesmo se referir a ela como uma invasão.

Um pedido chinês de cessar-fogo na Ucrânia, que atraiu elogios da Rússia, mas rejeições do Ocidente, não fez nada para diminuir as tensões, já que autoridades dos EUA acusaram repetidamente Pequim por considerar fornecer armas a Moscou para uso na guerra

“Os esforços para negociações de paz foram repetidamente prejudicados. Parece haver uma mão invisível pressionando pelo prolongamento e escalada do conflito e usando a crise da Ucrânia para servir a uma certa agenda geopolítica”, disse Qin.

A entrevista coletiva de Qin ocorreu dois dias após a abertura da reunião anual do Congresso Nacional do Povo, um órgão principalmente cerimonial reunido para aprovar relatórios do governo e, este ano, uma nova lista de nomeações de alto escalão Espera-se que isso inclua um terceiro mandato de cinco anos como presidente para Xi, que eliminou todos os limites de mandato para permitir que ele governe indefinidamente.