UE formaliza adoção do 6º pacote de sanções contra Rússia, com embargo a petróleo

As medidas tomam efeito nesta sexta-feira, 3, após terem sido aprovadas na quinta-feira pelos representantes dos países membros da UE
| 03/06/2022
- 07:31
UE formaliza adoção do 6º pacote de sanções contra Rússia, com embargo a petróleo
Foto: Reprodução

A União Europeia (UE) formalizou, via comunicado no site do Conselho Europeu, a adoção do sexto pacote de sanções contra a Rússia, que entre outros medidas, institui o embargo a importações de petróleo russo. As medidas tomam efeito nesta sexta-feira, 3, após terem sido aprovadas na quinta-feira pelos representantes dos países membros da UE.

De acordo com autoridades do bloco, o embargo reduzirá em 90% até o fim deste ano as compras de petróleo produzido na Rússia pela UE. Somente importações por meio de oleodutos para países muito dependentes do óleo russo, como Hungria, República Checa e Eslováquia. Bulgária e Croácia também foram contempladas com "derrogações temporárias relativas à importação de petróleo bruto marítimo russo e gasóleo de vácuo, respectivamente", diz o comunicado.

Além do embargo ao petróleo, a UE excluiu o Sberbank, o Russian Agricultural Bank e o Belarusian Bank For Development And Reconstruction do sistema de pagamentos Swift. O bloco ainda suspendeu a transmissão de mais três de imprensa ligados à Moscou: Rossiya RTR/RTR Planeta, Rossiya 24/Russia 24 e TV Centre International.

"Com o pacote de hoje, estamos aumentando as limitações à capacidade do Kremlin de financiar a guerra impondo mais sanções econômicas. Estamos proibindo a importação de petróleo russo para a UE e, com isso, cortando uma enorme fonte de para a Rússia", declarou o Alto Representante da UE, Josep Borrell.

Autoridades da UE dizem que não há planos para mais sanções importantes contra a Rússia antes do verão europeu e que as sanções ao gás russo estão fora de questão por enquanto. Com informações de Dow Jones Newswires.

Veja também

Mudanças climáticas, a pandemia do coronavírus e a desigualdade produziram crise que afeta milhões de pessoas

Últimas notícias