Musk se compromete a mobilizar mais recursos próprios para a compra do Twitter

O empresário já possui mais de 9% do Twitter
| 26/05/2022
- 09:16
Elon Musk
Elon Musk, empresário. - Divulgação

Elon Musk está investindo mais de sua fortuna para financiar seu acordo de US$ 44 bilhões com o , buscando financiadores adicionais em meio a um forte declínio nas ações da Tesla nas últimas semanas.

O plano de financiamento de Musk agora inclui US$ 33,5 bilhões em ações, acima dos US$ 27,25 bilhões anunciados anteriormente, de acordo com um documento regulatório emitido nesta quarta-feira, 25. O bilionário não planeja mais contar com um empréstimo de margem garantido por ações de sua empresa de elétricos, que caíram cerca de um terço desde que o Twitter aceitou sua oferta no final de abril.

Os detalhes mais recentes dos planos ainda deixam dúvidas sobre como Musk obteria cerca de US$ 14 bilhões de seu pacote de financiamento. Logo depois que o Twitter aceitou sua oferta, ele informou ter vendido cerca de US$ 8,5 bilhões em ações da Tesla. O empresário já possui mais de 9% do Twitter, no valor de cerca de US$ 4 bilhões a US$ 54,20 por ação.

Musk revelou, no início de maio, que havia conseguido cerca de US$ 7 bilhões de investidores cuja participação reduz efetivamente o risco pessoal que ele tem que assumir. A maior contribuição para esse pacote veio do príncipe al-Waleed bin Talal, da Arábia Saudita, que concordou em manter uma participação no Twitter avaliada em US$ 1,9 bilhão após a aquisição de Musk, de acordo com uma divulgação regulatória anterior.

O empresário continua buscando financiamento adicional e está conversando com os acionistas do Twitter, incluindo o ex-CEO do Twitter Jack Dorsey, sobre a possibilidade de manter suas participações na empresa após sua aquisição, diz o documento regulatório de quarta-feira.

Musk disse, em abril, que não planejava vender ações adicionais da Tesla. Ele ainda não respondeu a um pedido de comentário sobre se esse continua sendo o caso. Fonte: Dow Jones Newswires.

Veja também

Mudanças climáticas, a pandemia do coronavírus e a desigualdade produziram crise que afeta milhões de pessoas

Últimas notícias