Mundo

Lockdown repentino faz mulher ficar 'presa' por 4 dias em casa de rapaz após 1º encontro

Mulher descobriu durante o encontro que sua cidade estava entrando em Lockdown

Maria Eduarda Fernandes Publicado em 13/01/2022, às 17h53

Wang ficou confinada em casa de homem após primeiro encontro
Wang ficou confinada em casa de homem após primeiro encontro - Divulgação

O confinamento repentino devido ao aumento de casos da Covid-19 na cidade de Zhengzhou, no leste da China, deixou uma mulher presa por quatro dias na casa do rapaz que acabara de conhecer em um encontro às cegas.

O caso repercutiu após a mulher contar sua história um pouco inusitada em uma rede social chinesa. No post, ela conta como ficou presa na casa do rapaz depois de um encontro casual. Ela explica que mora no sul do país, em Guangzhou, e que viajou até a cidade em que ficou presa, a fim de prestigiar o Ano novo Lunar, festa mais importante da China. A data é celebrada em 1º de fevereiro.

A mulher conta que o desespero por estar "ficando velha e sem pretendentes" fez com que sua família marcasse o encontros às cegas. Porém, segundo o G1, enquanto estava presencialmente com o pretendente, a jovem descobriu que a comunidade em que ele morava havia entrado repentinamente em lockdown por um aumento nos casos de Covid-19. Por isso, ela acabou impedida de deixar a casa por vários dias.

À imprensa local, Wang relatou que a situação "não foi nada ideal". Ela disse que o homem cozinhou para os dois durante todo o confinamento, mas que "ele não fala muito". Nas postagens feita por Wang, não é possível identificar se ela já foi autorizada a deixar o isolamento para voltar para sua cidade.

Lockdown na China

Serviços não-essenciais foram obrigados a fechar suas portas na terça-feira (11), e o governo se mobilizou para testar os 12,6 milhões de habitantes da cidade e localizar possíveis portadores "silenciosos" do vírus.

A China tem uma política de tolerância zero contra a Covid-19, o que significa confinamentos obrigatórios repentinos que já se tornaram rotina nas comunidades em que o vírus é identificado.

(Com supervisão de Guilherme Cavalcante)

Jornal Midiamax