Mundo

Morre manifestante atingida por tiro durante protestos em Mianmar

Mya Thwate Thwate Khaing, uma manifestante de 20 anos ferida na semana passada durante os protestos em Mianmar, morreu nesta sexta-feira (19). A informação foi confirmada pelo hospital em que estava internada e pelo irmão, Ye Htut Aung. “Confirmamos sua morte às 11h desta manhã (horário local)”, disse o médico à AFP, acrescentando que seu corpo […]

Agência Estado Publicado em 19/02/2021, às 08h06

Polícia realizando ação durante um dos protestos no Myanmar. (Foto: Reprodução/Getty Images)
Polícia realizando ação durante um dos protestos no Myanmar. (Foto: Reprodução/Getty Images) - Polícia realizando ação durante um dos protestos no Myanmar. (Foto: Reprodução/Getty Images)

Mya Thwate Thwate Khaing, uma manifestante de 20 anos ferida na semana passada durante os protestos em Mianmar, morreu nesta sexta-feira (19). A informação foi confirmada pelo hospital em que estava internada e pelo irmão, Ye Htut Aung.

“Confirmamos sua morte às 11h desta manhã (horário local)”, disse o médico à AFP, acrescentando que seu corpo havia sido transferido para o instituto forense de Naypyidaw para exames.

De acordo com o irmão da vítima, Mya levou um tiro na cabeça, em 9 de fevereiro, enquanto a polícia tentava dispersar uma multidão durante as manifestações.

Ela é a primeira pessoa morta desde que os militares deram um golpe de Estado por não aceitarem a derrota eleitoral em novembro do ano passado. O exército de Mianmar tomou o poder em 1º de fevereiro e prendeu a líder eleita Aung San Suu Kyi.

O porta-voz militar, agora vice-ministro da Informação, Zaw Min Tun, confirmou esta semana que Mya foi vítima de tiros e garantiu que as autoridades continuariam investigando o caso. Ela rapidamente se tornou um símbolo de resistência dos manifestantes.

Mais protestos

Protestos continuaram a ocorrer em Mianmar na última segunda-feira, 15, apesar de a junta militar ter intensificado as medidas de repressão.

Um novo bloqueio da internet foi decretado entre 1h e 9h de terça, 16, mais detenções de funcionários públicos e outros manifestantes ocorreram, além do uso de veículos blindados, pela primeira vez desde o início dos atos, nas ruas do centro de Yangon, na noite de domingo.

Em uma declaração conjunta, embaixadores de Estados Unidos, Reino Unido, Canadá e União Europeia pediram aos militares que evitem a violência e condenaram as prisões de dissidentes, bem como a interrupção nas comunicações. COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Jornal Midiamax