Mundo

Pressionado, presidente da Argentina anuncia flexibilização da quarentena

O presidente da Argentina, Alberto Fernández anunciou nesta sexta-feira (17) que vai flexibilizar a quarentena na área metropolitana de Buenos Aires. A medida entra em colisão com a crise econômica e o desgaste social que o parlamentar vem sofrendo com a pandemia do novo coronavírus. A região é considerado o epicentro de casos no país […]

Vinícius Costa Publicado em 17/07/2020, às 14h00

Reprodução, Clarín
Reprodução, Clarín - Reprodução, Clarín

O presidente da Argentina, Alberto Fernández anunciou nesta sexta-feira (17) que vai flexibilizar a quarentena na área metropolitana de Buenos Aires. A medida entra em colisão com a crise econômica e o desgaste social que o parlamentar vem sofrendo com a pandemia do novo coronavírus.

A região é considerado o epicentro de casos no país vizinho do Brasil e nos últimos dias, aumentou consideravelmente o número de infectados e também registrou recorde de novos casos e mortes. A flexibilização começa a valer a partir deste sábado (18) e se estende até o dia 2 de agosto. A tentativa, segundo Fernández, é “voltar a ter uma vida normal neste mundo diferente”.

“Estamos vendo como retornar ao novo normal. Estamos longe de vencer a batalha. O esforço que fizemos não foi inútil, pois nos permitiu mostrar-nos como um dos países com o menor número de mortes. Nos próximos dias, entre 18 de julho e em 2 de agosto, estaremos tentando voltar à vida normal neste mundo diferente. Faremos isso por etapas. Enquanto isso, continuaremos trabalhando para fortalecer o sistema de saúde”, disse.

Na cidade, será autorizada a reabertura de lojas consideradas não essenciais, o desenvolvimento de atividades físicas em espaços abertos será permitido novamente e os passeios dos pais com as crianças continuarão de maneira escalonada, fundamentalmente, devido ao início das férias de inverno.

De acordo com os dados divulgados pelo Ministério da Saúde da Argentina, o país está com mais de 114 mil contaminados pelo novo coronavírus e possuí 2.112 mortes, além de mais de 49 mil recuperados.

Jornal Midiamax