Mundo

China volta a impor restrições com o surgimento de novos casos de coronavírus

Após dois meses sem mais casos do novo coronavírus, agentes de segurança reforçaram as medidas de proteção na China, após um novo surto no principal mercado de distribuição de alimentos de Pequim. Às três da manhã, depois de verificar que 46 pessoas que haviam visitado o mercado de Xinfadi, no distrito de Fengtai, sudoeste da […]

Cleber Rabelo Publicado em 13/06/2020, às 14h18

Greg Baker, AFP Photo, Reprodução
Greg Baker, AFP Photo, Reprodução - Greg Baker, AFP Photo, Reprodução

Após dois meses sem mais casos do novo coronavírus, agentes de segurança reforçaram as medidas de proteção na China, após um novo surto no principal mercado de distribuição de alimentos de Pequim.

Às três da manhã, depois de verificar que 46 pessoas que haviam visitado o mercado de Xinfadi, no distrito de Fengtai, sudoeste da cidade, testaram positivo para coronavírius apesar de não apresentarem sintomas, decidiu-se fechar o grande centro atacadista de hortaliças, frutas e outros produtos frescos da capital.

Em caminhões de transporte militar, centenas de agentes das forças de segurança apareceram no mercado para selá-lo e impedir que qualquer um passe.

Horas antes, quatro casos confirmados haviam sido detectados em pessoas que estavam em Xinfadi, por isso foi decidido testar o vírus para seus mais de 10.000 funcionários e vendedores, bem como monitorar de perto todos que o visitaram desde 30 de maio.

Após os primeiros 517 testes, apareceram esses 46 casos assintomáticos, que temem ser muito mais quando os testes são realizados para todos aqueles que trabalham no mercado e aqueles que o visitaram nos últimos dias ou até mesmo semanas.

Onze comunidades habitacionais próximas ao centro de distribuição de alimentos foram colocadas em quarentena e, segundo a mídia local, produtos de barraca de mercado como vegetais, frutas, camarão, caranguejos, carne bovina ou cordeiro foram deixados sem revestimento devido à necessidade de inspecioná-los em busca de vestígios do vírus.

Jornal Midiamax