Mundo

Trump assina ordem para construção de muro na fronteira dos EUA com o México

Medida estava entre as principais promessas de campanha

Ana Paula Chuva Publicado em 25/01/2017, às 19h50

None
trump-ordem-executiva.jpg

Medida estava entre as principais promessas de campanha

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou nesta quarta-feira (25) uma ordem executiva para destinar fundos federais para a construção de um muro na fronteira com o México, informam as agências Reuters e AP e a rede CNN. A construção do muro foi uma das principais promessas de campanha do republicano.

Trump também assinou uma ordem executiva para bloquear fundos federais para as chamadas "cidades-santuário", que protegem imigrantes sem documentos da deportação.

Os fundos federais serão abolidos para cidades que se recusem a fornecer informações às autoridades federais sobre o status de imigração de pessoas detidas nessas localidades, entre as quais estão Chicago, Nova York e Los Angeles.

Em uma entrevista concedida à ABC News divulgada antes da assinatura da ordem nesta quarta, Trump disse que a construção do muro na fronteira com o México começará "assim que possível". Questionado sobre se seria uma questão de "meses", o presidente disse: "eu diria em meses". Segundo o presidente, o planejamento da construção começa imediatamente.

Trump já havia antecipado em seu Twitter que assinaria a medida nesta quarta-feira. “Grande dia planejado na SEGURANÇA NACIONAL amanhã. Entre muitas outras coisas, vamos construir o muro!, escreveu.”

Promessa de campanha

Entre as principais promessas de Trump durante a campanha estavam construir um muro ao longo de toda a fronteira com o México – e fazer o país vizinho pagar a conta (o que autoridades mexicanas já afirmaram não aceitar) – e deportar todos os imigrantes ilegais que vivem nos EUA.

A fronteira entre EUA e México tem cerca de 3.000 quilômetros (a distância entre São Paulo e Natal), e já existe algum tipo de barreira em um terço de sua extensão. As demais áreas ficam em regiões desérticas ou montanhosas, de difícil acesso.

Estima-se que 11 milhões de imigrantes vivam irregularmente nos EUA, muitos dos quais ingressaram por terra e jamais entraram nos registros do governo. Para dar conta da missão, Trump pretende triplicar para 15 mil o número de agentes de deportação.

Durante sua campanha, Trump também prometeu suspender a entrada de muçulmanos no país. Embora a discriminação por religião seja proibida no país, o presidente americano pode vetar a concessão de vistos a nacionalidades específicas – algo que a legislação permite, segundo especialistas.

Jornal Midiamax