Mundo

Coreia do Sul pede prisão de herdeiro da Samsung por crimes de corrupção

Lee Jae-Yong foi apontado como "beneficiário final" de esquema de corrupção

Joaquim Padilha Publicado em 07/08/2017, às 11h10

None

Lee Jae-Yong foi apontado como “beneficiário final” de esquema de corrupção

Lee Jae-Yong, herdeiro do grupo Samsung, foi alvo de um pedido de condenação a 12 anos de prisão por parte do Ministério Público da Coreia do Sul, nesta segunda-feira (12), por ter participado do escândalo de corrupção que levou a destituição da ex-presidente Park Geun-Hye.

Yong, que é vice-presidente da Samsunb e filho do presidente da empresa, Lee Kun-Hee, foi considerado pelos procuradores o “beneficiário final” dos crimes cometidos pela gestão da ex-presidente.

Yong e outros quatro executivos da empresa foram acusados de subornar a melhor amiga da ex-presidente com milhões de dólares, para que ela influenciasse Park a obter favores e aprovasse uma fusão da empresa em 2015.Coreia do Sul pede prisão de herdeiro da Samsung por crimes de corrupção

“Os acusados tinham vínculos estreitos com o poder e buscavam benefícios pessoais”, afirmaram os promotores, que pediram uma sentença de 12 anos para Lee e condenações de entre sete e 10 anos para os outros acusados.

Em sua defesa, o herdeiro da Samsung afirmou que não teve nenhum papel na tomada das decisões da empresa, e que “escutava na maioria das vezes os outros diretores”. Yong comanda a empresa desde que seu pai sofreu um ataque cardiáco, em 2014.

Jornal Midiamax