Mundo

Venezuelanos deixam de trabalhar às sextas-feiras para poupar energia e água

Seca causou crise de energia no país

Joaquim Padilha Publicado em 07/04/2016, às 13h07

None
no_hay_luz.jpg

Seca causou crise de energia no país

Os funcionários públicos da Venezuela não vão mais trabalhar nas sextas-feiras durante os próximos 60 dias para poupar energia e água, de acordo com decreto do presidente Nicolás Maduro. O país passa por uma grave seca causada pelo fenômeno meteorológico El Niño, que afetou a produção de eletricidade.

"Amanhã [hoje, dia 7] deve sair na Gazeta Oficial o decreto especial estabelecendo todos os dias de sexta-feira como não laboráveis a partir de sexta-feira desta mesma semana, durante abril e maio", disse Maduro, ontem (6) à noite, durante um programa na televisão pública venezuelana. O prediente pediu "máxima colaboração" de todos nesse momento de dificuldade.

O decreto também estabelece medidas para o setor privado. Centros comerciais e o setor hoteleiro devem passar a consumir fontes próprias de energia durante o mínimo de 9h diárias. Há várias semanas, o governo vinha pedindo que esses setores utilizassem 4h diárias de energia por fontes próprias.

A barragem El Guri chegou aos níveis alarmantes de 243 metros, quando o volume de risco extremo é de 240 metros, segundo Maduro. A barragem é responsável pela produção de 63% da energia consumida no país, e deveria operar regularmente com um nível entre 260 a 271 metros.

Jornal Midiamax