Mundo

Incêndios devastam cidades no sul da França

Região de Marselha foi gravemente atingida

Norberto Liberator Publicado em 11/08/2016, às 11h15

None
incendiofranca.jpg

Região de Marselha foi gravemente atingida

Uma onda de incêndios nos arredores de Marselha, no sul da França, deixou mais de 900 hectares devastados. As autoridades consideram que a situação está fora de controle, com ventos de quase 100 km/h, que espalham o fogo ainda mais. Não há informações sobre vítimas civis – quatro bombeiros estão gravemente feridos.

Incêndios devastam cidades no sul da FrançaDe acordo com a rede francesa RFI, os municípios mais atingidos foram Rognac, Vitrolles, Cabriès e Pennes Mirabeau, no departamento de Bouches-du-Rhône. A região norte de Marselha foi tomada totalmente por fumaças escuras. Uma equipe de mais de 1.200 homens trabalha no combate aos incêndios.

Em comunicado, os bombeiros de Bouches-du-Rhône afirmaram que várias residências foram atingidas. "A situação está fora de controle, o fogo é imensamente poderoso, rápido e continua a queimar tudo pela frente, até mesmo casas", diz a nota publicada pela Corporação.

Na cidade de Vitrolles, vários locais foram evacuados e as pessoas foram levadas a ginásios da região. Várias casas podem ser completamente destruídas pelo fogo em Istres e em Pelissane, mas não há uma estimativa do tamanho do impacto sobre as cidades.

A reportagem da RFI afirma que as autoridades temem que o fogo chegue ao polo petroquímico de Fos-Sur-Mer, onde o estrago seria potencializado. Cerca de 200 bombeiros realizam o trabalho para impedir que as chamas possam chegar ao local, com 50 caminhões e três aviões.

Várias áreas da cidade de Vitrolles foram esvaziadas. A população foi levada para ginásios da região. Em Istres, diversas casas correm o risco de serem destruídas pelo fogo. Já em Pelissanne, muitas residências foram queimadas, mas os bombeiros ainda não puderam quantificar os estragos.

A grande preocupação das autoridades é que o fogo chegue até ao polo petroquímico de Fos-sur-Mer. Mais de 200 bombeiros trabalham para que as chamas não atinjam o local, apoiados por 50 caminhões e três aviões. Os aeroportos não estão operando e alguns voos de Marselha foram transferidos para Lyon.

O ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, declarou a jornalistas que o clima seco é um dos principais fatores para o incidente. "A situação se tornou ainda mais difícil devido aos fortes ventos e a seca que dura várias semanas", diz Cazeneuve.

Jornal Midiamax