Josh Greenberg, fundador do site Grooveshark, é encontrado morto

Ele tinha 28 anos; não há sinais de crime ou suicídio, diz polícia dos EUA
| 21/07/2015
- 00:27
Josh Greenberg, fundador do site Grooveshark, é encontrado morto

Ele tinha 28 anos; não há sinais de crime ou suicídio, diz polícia dos EUA

Josh Greenberg, de 28 anos, um dos fundadores do site norte-americano Grooveshark, foi encontrado morto no domingo (19). A informação foi confirmada nesta segunda-feira (20) pela polícia de Gainesville, na Florida, onde Josh morava.

O Grooveshark, criado quando Josh tinha 19 anos, foi um dos serviços de música mais populares do mundo. Mas o site foi desativado em abril de 2015, após uma ação judicial por direitos autorais.

Segundo o jornal “The Gainesville Sun”, ele foi achado morto em sua cama pela namorada, que tinha passado o final de semana fora de casa. Não havia sinal de violência ou suicídio, de acordo com a polícia. O “Gainesville Sun” afirma que também não havia indício de uso de drogas.

A mãe de Josh, Lori Greenberg, disse ao “Gainesville Sun” que o filho estava aparentemente saudável e “animado com novos projetos que ele estava iniciando”, e que ela ficou “perplexa” com a notícia. Uma autópsia foi realizada na manhã desta segunda, mas os resultados ainda não foram divulgados.

 

Grooveshark desativado

Os três criadores do Grooveshark (Josh Greenberg, Andrés Barreto e Sam Tarantino) desativaram o serviço de transmissão digital de músicas em abril de 2015. Segundo uma nota publicada no site, a ação aconteceu por causa de um acordo estabelecido durante um processo movido pelas grandes gravadoras americanas.

O Grooveshark era alvo de um processo por violação de direitos autorais que poderia condenar a empresa a pagar até US$ 736 milhões (mais de R$ 2,2 bilhões). O valor seria estabelecido pelo pagamento de US$ 150 mil por cada uma das mais de 4 mil músicas oferecidas de forma considerada ilegal no site. Segundo a própria empresa, o serviço chegou a ter mais de 20 milhões de usuários, compartilhando cerca de 15 milhões de músicas.

“Nós começamos há quase 10 anos com o objetivo de ajudar os fãs a compartilhar e descobrir música. Mas apesar das nossas melhores intenções, cometemos erros muito sérios”, publicaram os responsáveis pelo Grooveshark, em nota. “Falhamos em obter licenças de quem é dono dos direitos de grande parte da música no serviço. Isso foi errado. Nós nos desculpamos. Sem reservas.”

Veja também

Visita de Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos EUA gerou tensão entre os países

Últimas notícias