Mundo

Estado Islâmico planta minas e bombas em cidade síria, diz grupo de acompanhamento

Palmira abriga ruínas históricas da era romana

Clayton Neves Publicado em 21/06/2015, às 16h45

None
sop_ap_spani_span_sy_fran.jpg

Palmira abriga ruínas históricas da era romana

O Estado Islâmico plantou minas e bombas na parte antiga da cidade central síria de Palmira, que abriga ruínas da era romana, disse um grupo de acompanhamento da guerra, neste domingo.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos disse que não estava imediatamente claro se o grupo estava se preparando para destruir as antigas ruínas, ou se plantou as minas para impedir que as forças do governo avancem em direção à cidade, também conhecida como Tadmur.

“Eles colocaram tudo ontem. Eles também colocaram minas ao redor do teatro romano, nós ainda não sabemos qual o verdadeiro motivo disso”, disse à Reuters, Rami Abdulrahman, chefe do Observatório.

Maamoun Abdulkarim, chefe de antiguidades da Síria, disse à Reuters que relatos de que o Estado Islâmico plantou bombas em Palmira “parecem ser verdadeiro”. “A cidade está refém em suas mãos, a situação é perigosa.”

O grupo muçulmano sunita ultra radical tomou em maio a cidade de 50 mil habitantes, local de uma das mais extensas e bem conservadas ruínas romanas antigas do mundo.

EI supera Al-Qaeda no terrorismo global
O Estado Islâmico (EI) ultrapassou a Al-Qaeda como principal grupo terrorista no mundo, informou o relatório anual sobre terrorismo do Departamento de Estado dos Estados Unidos. O documento destaca a forte capacidade em recrutar militantes estrangeiros e espalhar sua mensagem pelo mundo.

O relatório também conclui que os ataques terroristas aumentaram em 35% em 2014 frente ao ano anterior, mas ficaram bem mais concentrados em alguns países. Mais de 60% de todos os atentados destes grupos, diz o governo norte-americano, concentram-se no Iraque, Paquistão, Afeganistão, Índia e Nigéria.

Jornal Midiamax