Mundo

Condenados à morte aceitaram o destino, diz religioso

Teólogo que visitou os condenados disse que todos aceitaram as leis da Indonésia

Clayton Neves Publicado em 17/01/2015, às 16h21

None
indonesiamarcoarcheransa.jpeg

Teólogo que visitou os condenados disse que todos aceitaram as leis da Indonésia

 Os condenados à morte na Indonésia que serão executados às 15 horas deste sábado (domingo, no horário local) disseram ter aceitado seus destinos. Os presos expressaram seus sentimentos para Hasan Makarim, membro de uma organização muçulmana do país, informou o Jakart Post neste sábado.

Entre eles está o brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, que foi preso ao tentar entrar no país, em 2003, com 13,4 kg de cocaína escondidos em tubos de uma asa-delta. Se confirmado o fuzilamento, Moreira será o primeiro brasileiro executado no exterior.

“Todos eles estão prontos e nenhum deles entrou com pedido de protesto em frente da sua execução. Eles disseram que aceitaram nossa decisão legal“, disse Hasan à imprensa local na sexta-feira. O ulemá – teólogo com conhecimento em direito islâmico – disse que visitou a prisão em que os condenados estão diversas vezes durante a semana para prepará-los mentalmente para a morte. Ele não mencionou se todos os presos são muçulmanos.

Hasan também acrescentou que os condenados estão fisicamente e mentalmente bem. “Todos estão saudáveis”, afirmou.

Numa tentativa de evitar o fuzimento do brasileiro, a presidente Dilma Rousseff entrou com pedido de clemência ao governo da Indonésia, mas o presidente do país asiático, Joko Widodo, negou.

Jornal Midiamax