Mundo

Como o Instagram de um falso migrante africano ‘enganou’ a internet

Conta apresenta fotos do personagem enfrentando viagem ilegal do Senegal à Espanha

Clayton Neves Publicado em 05/08/2015, às 14h16

None
9aouldkl8n_9hxe82tf0o_file.jpg

Conta apresenta fotos do personagem enfrentando viagem ilegal do Senegal à Espanha

Uma conta de Instagram que parecia pertencer a um migrante africano que documentava sua jornada do Senegal até a Europa conquistou mais de 10 mil de seguidores em apenas uma semana e chamou a atenção da imprensa mundial. As imagens, no entanto, eram falsas.

O perfil na rede social de fotografia, criado no nome de Abdou Diouf, de Dacar, no Senegal, começou a ser atualizado com selfies na semana passada. Seu autor falava sobre a despedida da família e a perigosa jornada até a Espanha, onde tentaria entrar sem documentos.

As imagens supostamente mostravam “Diouf” andando no deserto, escondido em um caminhão para cruzar a fronteira com o Marrocos e em uma travessia pelo estreito de Gibraltar dentro de um bote inflável. Ele dizia ter pago 2 mil euros pela possibilidade de entrar no continente europeu.

A conta parou de ser atualizada pouco depois que Diouf teria sido capturado por autoridades migratórias espanholas.

Nesta segunda-feira, no entanto, as pessoas por trás da ação revelaram que se tratava de uma campanha de marketing para um festival de fotografia.

Todas as imagens foram feitas por Tomás Peña, que tentava promover o festival Getxophoto, no norte da Espanha. Segundo ele, o homem que aparece nas fotos é o jogador de handebol Hagi Toure, que vive em Barcelona há mais de 10 anos e tem seu próprio perfil no Instagram.

— Contratamos algumas pessoas para aparecer na campanha. Foi como A Guerra dos Mundos, de Orson Welles, mas em vez de usar o rádio, usamos o Instagram.

‘Força’

As fotos do personagem fictício, que dizia tentar viver na Europa para ajudar sua mãe “velha demais para trabalhar”, provocaram comentários negativos a respeito da suposta viagem.

— Estou cansado dessas milhões de pessoas tentando vir para cá. Não há lugar para você aqui, nem trabalho, nem sonhos.

Outro comentarista também foi contra.

— Saia do meu país, por favor, essas coisas que você está fazendo são ilegais e prejudicam muitos espanhóis pobres, que não estão recebendo ajuda financeira.

No entanto, diversas pessoas apoiaram “Diouf” com desejos de “força” e “boa sorte”.Fechar anúncio

— Parabéns e boa sorte daqui de Barcelona. Espero que todos os seus sonhos se tornem realidade.

Portais de notícia internacionais como o Huffington Post e o Daily Mirror publicaram a história como verdadeira e ela tornou-se viral nas redes sociais.

No entanto, alguns comentaristas já duvidavam da autenticidade do perfil por conta de algumas “pistas” deixadas intencionalmente pelos criadores da campanha. Apesar de parecer ter pouco domínio do inglês, língua na qual escrevia os posts, “Diouf” conhecia hashtags populares na língua – como #LovingLife #Instalovers #IllegalDreamer e #Swag – e as usava com frequência.

Além disso, o nome Abdou Diouf foi “emprestado” de um ex-presidente do Senegal.

Segundo Peña, a conta foi criada com o objetivo de fazer os europeus pensarem sobre suas atitudes em relação aos migrantes que chegam ao continente vindos da África.

— Nós os tratamos como animais e, ao ler os comentários, é possível ver alguns muito racistas. É muito triste.

O espanhol afirma, no entanto, que não imaginava que tantas pessoas se deixariam enganar pela conta falsa. As hashtags incoerentes, por exemplo, foram deixadas de propósito.

— Achamos que seria irônico que ele usasse hashtags como #RichKidsofInstagram (Jovens Ricos do Instagram, em tradução livre).

Na vida real

Nesta segunda-feira, horas antes que a campanha publicitária fosse revelada, um imigrante marroquino de 27 anos foi encontrado morto dentro de uma mala no carro de seu irmão, que fazia a travessia de barco desde a cidade espanhola de Melilla, no norte da África, até Almería, no sul da Espanha – trecho semelhante ao que o fictício “Diouf” teria percorrido.

Segundo agências de notícias, o homem teria morrido asfixiado na mala após uma viagem de mais de cinco horas exposto a altas temperaturas.

Seu irmão de 34 anos, que o encontrou com sintomas de asfixia e chegou a chamar os profissionais de saúde do barco para tentar salvá-lo, foi preso.

Milhares de migrantes tentam entrar no continente europeu pelos enclaves espanhóis no norte da África. No último domingo, segundo autoridades marroquinas, quatro homens morreram afogados enquanto tentavam chegar nadando à cidade espanhola de Ceuta a partir da costa do Marrocos.

Jornal Midiamax