Mundo

Centenas protestam contra islamismo radical na Austrália

Em Melbourne ocorreram confusões entre manifestantes e pessoas contrárias ao protesto 

Clayton Neves Publicado em 04/04/2015, às 12h25

None
australiaprotestosrepromirror.jpg

Em Melbourne ocorreram confusões entre manifestantes e pessoas contrárias ao protesto 

Centenas de manifestantes com cartazes que diziam “Não à sharia” se reuniram neste sábado (4) em várias cidades da Austrália para protestar contra o islamismo radical, informaram os organizadores.

“Somos a favor dos valores australianos e contra o islamismo radical, mas não somos antimuçulmanos”, explicou à AFP Catherine Brennan, porta-voz deste movimento chamado “Recuperar Austrália”.

Em Sydney, centenas de pessoas se reuniram perto do local onde um homem de ideologia próxima à do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) realizou um sequestro em dezembro que terminou com três mortos. “Não ao Islã. Não à sharia. Não ao halal”, em referência aos alimentos permitidos pela lei islâmica, afirmava um cartaz.

A iniciativa foi criticada por outro grupo, que a considerou racista. A porta-voz se defendeu das acusações dizendo que diversas confissões participavam do protesto.

“Sei que em Sydney e em Melbourne muçulmanos já se inscreveram para participar porque veem o que está ocorrendo e não gostam”, disse John Oliver, que apoia a “Recuperar Austrália”.

Clare Fester, organizadora das manifestações contrárias a este movimento em Sydney, estima que a iniciativa é antimuçulmana. “Seus ataques ao Islã pressupõem que todo muçulmano é violento, que apoia o terrorismo e é contra as mulheres. É uma tentativa de ir contra todos os muçulmanos com estereótipos racistas”, declarou Fester em um comunicado.

Em Melbourne ocorreram confusões entre manifestantes e pessoas contrárias ao protesto que terminaram com vários feridos e detidos.

Jornal Midiamax