Mundo

Avião que caiu no Egito se partiu no ar, aponta perícia

Airbus A-321 levava 224 pessoas

Midiamax Publicado em 02/11/2015, às 10h34

None
destrocos_aviao_sinai_400x300_reproducao.jpg

Airbus A-321 levava 224 pessoas

O Airbus A-321 que levava 224 pessoas a bordo e caiu sábado (31) na Península do Sinai, no Egito, se partiu no ar, informou neste domingo (1º) o Comitê de Aviação Interestatal da Rússia (CAI).

"A destruição aconteceu no ar, e os fragmentos ficaram espalhados por uma superfície de cerca de 20 quilômetros quadrados", disse Victor Sorochenko, diretor-executivo do CAI, à imprensa russa após visitar o lugar do acidente. Entretanto, ele afirmou que "é ainda cedo para tirar conclusões" sobre as causas da tragédia aérea, a maior da história da Rússia.

Segundo testemunhas oculares, o avião da companhia aérea russa Kogalimavia (MetroJet), um Airbus A-321, já estava em chamas antes de cair em uma região montanhosa.

O ex-diretor da empresa aérea, Sergei Mordvintsev, afirmou hoje que os aviões desta classe da companhia nunca tinham sofrido problemas técnicos.

"O A-321 é uma aeronave segura. Durante seu período de funcionamento, seus motores nunca apresentaram nenhum problema", disse ele à agência "Interfax".

Tanto as autoridades russas como as egípcias descartaram um possível atentado terrorista como causa da queda. Técnicos dos dois países analisam as caixas-pretas do avião que, segundo o ministro de Transporte da Rússia, sofreram "danos técnicos menores".

Jornal Midiamax