Mundo

Atentados matam ao menos 35 pessoas na Nigéria

O primeiro ataque deixou ao menos 18 vítimas fatais

Clayton Neves Publicado em 26/02/2015, às 18h20

None
018100799_30300.jpg

O primeiro ataque deixou ao menos 18 vítimas fatais

Ao menos 35 pessoas morreram em dois atentados suicidas contra pontos de ônibus nas cidades de Biu e Jos, no nordeste e no centro da Nigéria.

O primeiro ataque deixou ao menos 18 vítimas fatais, quando um homem-bomba detonou seus explosivos, enquanto outro atacante morreu baleado pelas forças de segurança antes de acionar seu explosivo.

Segundo um membro de uma milícia de autodefesa entrevistado pela AFP, Babagana Kyari, “ao menos 18 pessoas, incluindo três mulheres, morreram (…) e várias outras ficaram feridas”.

Este balanço foi confirmado por Ali Dauda, um habitante que testemunhou o atentado, similar ao muitos outros realizados nas últimas semanas por islamitas do Boko Haram.

Os dois suicidas chegaram a estação de Tashar Gandu, onde um acionou seus explosivos em meio a passageiros e vendedores pouco antes das 16H00 locais (12H00 de Brasília), informaram testemunhas.

Eles se passaram por comerciantes que deixavam Biu após fazer compras no mercado central, explicou à AFP Babagana Kyari.

O segundo atentado foi realizado na estação de ônibus de Jos. Duas explosões atingiram o local, fazendo 17 mortos, segundo fontes militares e testemunhas.

Jos, capital do estado de Plateau, tem sofrido repetidos ataques do Boko Haram.

Estes ataques acontecem dois dias após dois outros ataques similares. Dois homens-bomba atacaram na terça-feira uma rodoviária de Kano, a maior cidade do norte da Nigéria. Segundo um líder sindical, 34 pessoas morreram no incidente.

Quatro horas antes, em Potiskum, a capital econômica do estado de Yobe, um atentado contra um ônibus lotado na rodoviária de Tashar Dan-Borno deixou 17 mortos e 27 feridos.

Desde 2009, o grupo extremista Boko Haram é responsável por mais de 13 mil mortes. Nas últimas semanas, os militantes têm avançado rumo a países vizinhos, aumentando temores de uma crise regional.

Jornal Midiamax