MidiaMAIS / TV & Novela

Chique demais, Adriane Galisteu terá que se virar nos 30 para apresentar A Fazenda

Apresentadora é considerada muito fina e sofisticada para o reality rural recheado de barracos

João Ramos Publicado em 14/09/2021, às 08h26

Visual extremamente chamativo e exuberante pode causar choque no telespectador
Visual extremamente chamativo e exuberante pode causar choque no telespectador - (Fotos: Reprodução, Instagram)

Em 13 anos no ar, hoje (14), pela primeira vez, o reality rural da Record TV será apresentado por uma mulher. A nova temporada de "A Fazenda" apostará numa figura feminina impactante para conduzir a edição até dezembro. Mas, não é qualquer mulher: o novo rosto do programa é de ninguém mais, ninguém menos que Adriane Galisteu.

Quem é Galisteu?

Chiquérrima, a loira é figura carimbada da TV brasileira e famosa por sua elegância, simpatia e beleza estonteante. Adriane polemizou com seus figurinos exóticos e extravagantes quando apresentou o Power Couple Brasil, encerrado em julho, também na Record TV. Para o reality rural, no entanto, a comunicadora terá que se desdobrar para conseguir se adequar à identidade do programa — ou fazer uma revolução e mudar isso.

Por quê?

Simples: por ser chique demais. Frequentemente chamada de "maravilhosa" e aplaudida pela crítica e pelo público, Galisteu tem um perfil diferente de todos os outros que já passaram por "A Fazenda" e nunca esteve "cara a cara" com o povão. Certo estranhamento poderá ser sentido na estreia da atração, que será logo mais à noite.

Curiosamente, a apresentadora já esteve no comando de "Charme", programa vespertino do SBT em meados da década de 2000. Charme: é justamente esse o termo que define Galisteu. Talvez, para o telespectador de "A Fazenda", seja um choque acompanhar a loira em um entretenimento mais "chucro" e "caipira". Como comunicadora, Adriane tem vasta experiência e carisma, a ponto de ganhar facilmente a audiência, mas é possível que a própria Record TV imponha limites ao seu visual — que costuma ser extremamente chamativo.

Machismo?

Aparentemente, não soa como machismo os riscos da competente e exímia profissional à frente do reality. A observação é apontada com base na identidade que o programa construiu ao longo dos últimos 13 anos. De lá para cá, Adriane é, sem dúvidas, a figura mais impactante a passar por ali.

Acostumado com outro estilo, o público de "A Fazenda" poderá sentir algum estranhamento e até rejeitar Adriane em detrimento ao sucesso do último apresentador: Marcos Mion.

O fato é que a loira, para se estabelecer, precisará reformular e construir uma nova identidade para o programa, ou se readequar para se comunicar efetivamente com o telespectador já fidelizado. Talento, carisma e competência não faltam e a aposta é que ela conseguirá tirar de letra, possivelmente implantando até uma nova marca para o reality.

Na internet, comenta-se que será engraçado ver a mulher que é um poço de luxo, elegância, riqueza e sofisticação conduzindo um programa "caipira", "chucro" e, literalmente, na fazenda. "Ela é a cara de tudo que é chique, e A Fazenda não é nada chique", opinou uma internauta. "Até tentando parecer caipira ela consegue ser ainda mais chique e sofisticada", comentou outro nas redes sociais.

É essa dualidade que será colocada à prova, logo mais, quando a nova temporada começar.

Jornal Midiamax