MidiaMAIS / Música

FASP: Fazendo apologia ao amor e à família, Criolo cativa público do festival

“Quem achou que ia encontrar uns bagulhos pesados, uns bagulhos no sentido de deixar os caras pra baixo. Não! Aqui é ideia de progresso, ideia de amor, de sentimento, de valorização da família, de valorização de cada jovem que tá aqui”, discursou Criolo durante o show que marcou a segunda noite do 14º Festival América […]

Mariana Lopes Publicado em 26/05/2018, às 17h23 - Atualizado em 30/05/2018, às 10h35

None
Criolo foi a segunda atração nacional do 14º Festival América do SUl Pantanal, em Corumbá | Foto: Marcos Ermínio

“Quem achou que ia encontrar uns bagulhos pesados, uns bagulhos no sentido de deixar os caras pra baixo. Não! Aqui é ideia de progresso, ideia de amor, de sentimento, de valorização da família, de valorização de cada jovem que tá aqui”, discursou Criolo durante o show que marcou a segunda noite do 14º Festival América do Sul Pantanal, em Corumbá.

O rapper paulistano era uma das atrações mais esperadas nesta edição do festival e ele, de fato, cativou o público presente na Praça Generoso Ponce. Em diversos momentos do show, ele levou a galera a gritar e vibrar, sempre fazendo apologia ao amor, à família e ao respeito.

“Mandar o amor especial às pessoas que não recebem o amor que merecem, que é cada professor e professora da cidade. Se você quiser fazer um barulho em nome do seu professor, da sua professora, esse é o momento. Daqui da frente até o fundão, faz um barulho”, inspirou Criolo, que levou a multidão presente aos gritos.

E ele continuou: “Não adianta repressão, sempre o bom sentimento. Guardar em nosso coração sempre o bom sentimento. Que cada um de vocês receba esse axé, essa boa energia, de bom sentimento de uma confraternização real e sincera”. E prosseguiu o show com canções mais antigas do repertório dele.

“É difícil demais praticar o amor. A gente é cheio de vaidade, a gente é cheio de medo, a gente é cheio de mágoa. Todo mundo carrega um tanto de amor pra mudar o mundo, mas ao mesmo tempo todo mundo carrega um tanto de dor que o mundo os magoou, que o planeta nos magoou, nos destruiu, porque não nos compreendeu”, desabafou Criolo, diante do silêncio do público que escutava atento as palavras do poeta do rap.

E na sequencia do discurso, o cantor trouxe o “remédio”, carregado de entusiasmo: “Mas todos vocês são possíveis, capazes, maravilhosos, cada um de vocês é um ponto de luz no mundo, de verdade. Daqui da frente até o fundão, cada um de vocês é um ponto de luz, um ponto de sentimento, e por mais que existam diferenças, todo mundo carrega dentro do seu coração algo de bom”.

FASP: Fazendo apologia ao amor e à família, Criolo cativa público do festival
Foto: Marcos Ermínio

No meio do show, Criolo ainda convidou o público a abraçar os policiais militares que trabalhavam no evento fazendo a segurança. “Se vocês puderem abraçar os meninos que estão ali trabalhando de capacete branco, pra mostrar pra eles que nós somos só amor. Quem tem coragem de abraçar eles ali? Tem que partir de nós mostrar que somos diferentes, somos uma geração que quer mudança, somos uma geração que quer amor, não quer repressão”.

E em meio a aplausos e gritos do público, Criolo subiu o tom de voz, com jeito de clamor, e pediu ao povo: “Pode ir lá! Vai geral lá!” E nesta pegada, Criolo continuou o show na Praça Generoso Ponce, em Corumbá.

O 14º Festival da América do Sul Pantanal começou nesta quinta-feira (24) e segue até o próximo domingo (27), com programação em Corumbá, Ladário, e nas cidades bolivianas Puerto Quijaro e Puerto Suárez.

Durante todo o dia, terão apresentações de circo, teatro e dança nestas cidades. Neste sábado (26), o show principal é da baiana Daniela Marcury, que sobe ao palco na Praça Generoso Ponce por volta das 22h30.

Acompanhe o Festival através do Instagram do MidiaMAIS – @midia_mais_

(A repórter Tatiana Marin cobre o Festival América do Sul Pantanal a convite da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul)

Jornal Midiamax