Os Mamonas Assassinas estão de volta – e com novos integrantes: Ruy Brissac (como o vocalista Dinho), Rhenner Freitas (como o baterista Sérgio Reoli), Adriano Tunes (como o baixista Samuel Reoli), Nelson Bonfim (como o tecladista Júlio Rasec) e Beto Hinoto (sobrinho e intérprete do guitarrista Bento Hinoto). Os rapazes assumiram a clássica banda de pop rock brasileira para a turnê Mamonas Assassinas – O filme, que vai percorrer vários Estados do Brasil e países da Europa e da América do Norte.

Para Ruy, o sentimento de representar o personagem é de “muita honra, felicidade e gratidão”. “Às vezes paro e penso na grandiosidade que é fazer parte da história de uma banda que deixou um legado tão intenso que impactou a vida de milhões de pessoas. Na responsabilidade de resgatar essa nostalgia representando um artista tão icônico e tão completo como o Dinho”, compartilhou.

Já Adriano, contou que relação com a banda é algo desde a infância e também que a própria família dos integrantes oficiais os tratam como se fossem da família. “Foi uma virada de chave na minha carreira porque foi o primeiro grande musical que fiz. Foram quase dois anos fazendo esse espetáculo e tivemos a oportunidade de conhecer os familiares, temos um carinho especial. Sinto que os Mamonas são também a minha família porque eles nos tratam assim”, disse.

Os Mamonas estão de volta

A primeira apresentação da banda aconteceu em maio, em Salvador. O próximo destino é São Paulo, no dia 07 de junho, em Santos, no dia 11 e no Rio de Janeiro, no dia 21 de junho. O grupo também já têm shows marcados em Portugal e nos Estados Unidos. O repertório dos shows inclui 31 músicas, como os clássicos Vira-Vira, Pelados em Santos e Robocop Gay, Sabão Crá-CráLá Vem o Alemão e Sábado de Sol, além dos figurinos coloridos e inusitados.

Além da volta da banda, o grupo vai lançar o filme Mamonas Assassinas – O Impossível Não Existe, gravado em Guarulhos, em São Paulo, com previsão de lançamento nas telas para 2024.

Sucesso

Os Mamonas Assassinas surgiram em 1985, mas com o nome de Utopia A banda seguiu até 1996, quando no auge do sucesso, desapareceram num trágico acidente aéreo retornando de um show. O jatinho que transportava os integrantes do grupo chocou-se com a Serra da Cantareira no fim de uma noite de sábado, em 2 de março de 1996, a poucos minutos do pouso em Guarulhos, cidade natal dos Mamonas. Morreram os músicos, o piloto Jorge Luiz Germano Martins, o copiloto Alberto Yoshihume Takeda e dois assistentes dos artistas, o ajudante de palco Isaac Souto Schuri Lambers e o segurança Sérgio Saturnino Porto.