MidiaMAIS / Famosos

P!nk doa R$ 2 milhões para ajudar no incêndio devastador da Austrália

Tocada com os incêndios na Austrália, a cantora P!nk doou 500 mil dólares, o equivalente a R$ 2.033.400 milhões, para os serviços de emergência na Austrália. O fogo devastador estão fora de controle no país. A cantora confirmou a notícia em suas redes sociais, explicando que estava com o coração partido pelas chamas, e compartilhou […]

Renata Fontoura Publicado em 04/01/2020, às 14h40 - Atualizado às 14h47

P!nk confirmou a notícia em suas redes sociais. (Foto: Divulgação)
P!nk confirmou a notícia em suas redes sociais. (Foto: Divulgação) - P!nk confirmou a notícia em suas redes sociais. (Foto: Divulgação)

Tocada com os incêndios na Austrália, a cantora P!nk doou 500 mil dólares, o equivalente a R$ 2.033.400 milhões, para os serviços de emergência na Austrália. O fogo devastador estão fora de controle no país.

A cantora confirmou a notícia em suas redes sociais, explicando que estava com o coração partido pelas chamas, e compartilhou um link para as páginas de doações.

“Estou totalmente arrasada ao ver o que está acontecendo na Austrália agora com os horríveis incêndios florestais. Estou prometendo uma doação de US$ 500.000 diretamente para os bombeiros locais que estão lutando tanto nas linhas de frente. Meu coração está com nossos amigos e familiares em Oz”, postou a artista.

P!nk doa R$ 2 milhões para ajudar no incêndio devastador da Austrália
Postagem da cantora no Instagram traduzida para o português. (Foto: Reprodução/Instagram)

A  Austrália vive um dos piores incêndios florestais dos últimos anos, desde setembro de 2019. O fenômeno é natural e é causado pela combinação de temperaturas superiores a 40º C e uma quantidade insuficiente de chuva, que deixam a vegetação extremamente seca. Além disso, os ventos fortes que são típicos dessa época do ano agravam a situação, espalhando as chamas por vários quilômetros.

Esse fenômeno natural das queimadas ocorre todos os anos na Austrália, entre o final da primavera, no mês de novembro, e início do verão, no mês de dezembro. Porém, em 2019, os incêndios começaram antes do previsto, e foram mais violentos. A explicação está nas temperaturas que ultrapassam os 44º C.

Jornal Midiamax