MidiaMAIS / Famosos

Com suposto conteúdo impróprio, Felipe Neto é indiciado pela polícia

A DRCI (Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática), do Rio de Janeiro, indiciou Felipe Neto pelo crime de corrupção de menores. Segundo o delegado responsável pelo caso, há um mês ele recebeu um ofício do Ministério Público em que pede uma investigação contra publicações impróprias para menores feitas pelo Youtuber. Segundo o portal Extra, Felipe […]

Bruna Vasconcelos Publicado em 07/11/2020, às 14h59

Youtuber protocolou petição (Foto: Reprodução)
Youtuber protocolou petição (Foto: Reprodução) - Youtuber protocolou petição (Foto: Reprodução)

A DRCI (Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática), do Rio de Janeiro, indiciou Felipe Neto pelo crime de corrupção de menores. Segundo o delegado responsável pelo caso, há um mês ele recebeu um ofício do Ministério Público em que pede uma investigação contra publicações impróprias para menores feitas pelo Youtuber.

Segundo o portal Extra, Felipe nega as acusações.

“Há mais ou menos um mês o MP aqui do Rio me mandou um expediente pedindo a investigação de possível crime por corrupção de menores. E mencionado entre outras coisas um monte de vídeos. Dentre esses vídeos tem um que é bem esclarecedor. De 2017, até posteriormente ele fez assinatura de livros, vídeos no YouTube outros materiais que eram direcionados para criança, com material inadequado para menores. Então, isso me pareceu, sim, estar configurado artigo 244 do Eca”.

Ainda conforme a autoridade policial, Felipe Netto chegou a ser intimado para ser ouvido, mas ele teria optado não falar e protocolou uma petição.

“Ele foi intimado, o advogado dele compareceu e protocolou uma petição, onde ele fala que não queria ser ouvido. E as explicações seriam aquelas da petição. Sobre isso não tem como obrigá-lo a prestar depoimento”.

Em suas redes sociais, o youtuber divulgou uma nota assinada pela sua assessoria em que afirma que ele está sendo vítima de uma campanha difamatória e que, segundo ele, se baseia em “denúncias caluniosas feitas pela articulação do ódio bolsonarista”.

Jornal Midiamax