MidiaMAIS / Famosos

‘Tratamento alternativo’ utilizado por Marcelo Rezende é revelado

Médicos responsáveis por técnica são acusados de charlatanismo

Guilherme Cavalcante Publicado em 02/10/2017, às 15h33

None

Médicos responsáveis por técnica são acusados de charlatanismo

O programa ‘Domingo Espetacular’, da Record, revelou qual o tratamento alternativo utilizado pelo apresentador Marcelo Rezende, que lutava contra um câncer no pâncreas. Rezende, que faleceu no último dia 16, aos 65 anos, trocou o tratamento tradicional por um alternativo chamado ‘Farmácia de Deus’, que custava R$ 30 mil por semana.

O método, ministrado pela médica ginecologista Katia Nakazone, recebeu o nome de ‘Farmácia de Deus’ pelo próprio Rezende. De acordo com a reportagem, ela seria aluna do também médico Lair Ribeiro, que segundo a reportagem, não tem licença para clinicar ou dar consultas em São Paulo, mas seria o profissional responsável pelo tratamento.

Ainda assim, o médico teria se encontrado com Marcelo Rezende algumas vezes e, já no primeiro encontro, disse que até setembro o apresentador estaria curado do câncer. Segundo a apuração, Rezende se comunicava com frequência com Katia Nakazone, e nessas conversas era possível notar que Lair Ribeiro estava presente, mesmo não podendo atuar no Estado.

'Tratamento alternativo' utilizado por Marcelo Rezende é revelado

No dia 19 de maio, por exemplo, Katia diz que enviou um material para Rezende a pedido do Dr. Lair. Na resposta, Rezende chega a questionar se pode abrir as cápsulas e tomar apenas o pó da medicação enviada por conta do plástico do remédio ser difícil de engolir. O último contato entre Rezende e Katia Nakazone foi uma cobrança financeira feita pela profissional.

Assim que descobriu a doença, Marcelo foi internado no hospital Albert Einstein e começou a fazer quimioterapia. Os médicos disseram que a chance de recuperação dele era de 1%. Por conta disso, ele foi procurar o método alternativo. A prática adotada por Lair Ribeiro é acusada de charlatanismo pelos oncologistas.

Jornal Midiamax