Já pensou em como seria viajar do Brasil até o EUA de carro? Essa é a aventura que um brasileiro se propôs a vivenciar. Pedro Henrique Biondo Matias, mais conhecido como Berranteiro das Américas, saiu de Barretos com a sua caminhonete F-1000 e seu companheiro de viagem, o cachorro Bastião, e segue um roteiro de paradas até chegar nos Estados Unidos.

Nesta semana, o viajante está em Campo Grande, e contou que foi bem recebido pelos moradores da cidade, decidindo estender, até mesmo, sua estadia pela capital. “O pessoal está me recebendo muito bem, sempre tem alguma coisa para fazer, pessoas para conhecer. A receptividade aqui é muito boa, eu passo na rua o pessoal me conhece, já vem conversar, bater uma foto comigo e com o Bastião”, comenta.

A próxima parada, de acordo com o Berranteiro, é Foz do Iguaçu, onde pretende comprar equipamentos que faltam para a viagem, na fronteira com o Paraguai. Em seguida, o viajante se dirige ao norte da Argentina, para participar de um Encontro de Mulas em San Lorenzo. Na Argentina pretende conhecer também o Deserto do Atacama.

Subindo pelos países, Pedro Henrique embarca a caminhonete na Colômbia, no container de um navio, para atravessá-la até o Panamá. Ele pretende atravessar com o Bastião de avião ou veleiro. “Vou ver qual é a melhor opção. O Bastião pode andar comigo de avião porque ele tem um laudo de apoio emocional, que eu tirei justamente para essa finalidade, de ele poder entrar comigo em qualquer lugar, em qualquer situação”, explica.

Do Panamá, o Berranteiro e o Bastião seguem viagem pela América Central, até chegar nos Estados Unidos. A viagem deve durar em torno de seis meses e, dentro do EUA, os dois devem ficar por mais seis meses, na região Oeste. “Eu vou entrar pelo Texas, por Laredo, e eu vou rodar tudo ali, só no Oeste: Texas, Colorado, Novo México, Iommi, Idaho, Oregon, Nevada e Califórnia.

Volta ao Brasil de mula é um sonho antigo

Embarcar em uma viagem desse tipo sempre foi um sonho de Pedro Henrique. Em 2011, sua vontade era de ir do Brasil ao EUA de mula, e o plano ficou guardado por todos esses anos. Já adulto e formado em engenharia, começou a trabalhar na área de construção civil, adiando os planos da viagem, até o momento.

“De dois anos e poucos para cá, eu decidi repensar essa questão de viajar e fazer uma viagem dessa. A ideia é retornar para o Brasil de mula, é o que eu gosto mesmo, e estou mais ansioso para isso. Claro que a caminhonete é uma satisfação pessoal que eu tinha também, de conhecer outros lugares, várias culturas, mostrar a minha cultura”, explica.

Além de conhecer outras culturas, o Berranteiro vê como uma missão mostrar a cultura do peão boiadeiro para o mundo. “Eu acho que essa cultura de pão de boiadeiro, do berrante, tem muita coisa boa para mostrar para o mundo, então além de realizar uma satisfação pessoal, estou contribuindo para divulgar essa nossa cultura, que é tão linda”, conta.

Bastião, o companheiro fiel de viagem

De início o cachorro Bastião não estava incluso na viagem, que seria feita com uma outra acompanhante, mas mudanças de planos levaram o Berranteiro a se encontrar com o Bastião.

“Um amigo me presenteou com o Bastião, e não me deixou desistir da viagem. Ele me deu também uma quantia em dinheiro para pagar as vacinas, quando eu estivesse atravessando as fronteiros. Assim o Bastião entrou na minha vida, e eu não vejo mais essa viagem sem ele”, comenta.

Bastião quando foi adotado por Pedro Henrique e atualmente. (Reprodução, redes sociais)

O fiel companheiro se acostumou com a viagem de caminhonete, e a vê como casa. Nas horas de tédio, é o Bastião que diverte seu dono, e juntos seguem conhecendo lugares diferentes e novas pessoas, durante essa aventura.