MidiaMAIS

Criança chata pra comer? Saiba quais são as 5 piores texturas de alimentos para os pequenos com resistência alimentar

Profissional ensina técnicas para a introdução dos alimentos

João Ramos Publicado em 14/04/2021, às 10h07

Fazer as crianças comerem 'de tudo' pode ser tarefa árdua
Fazer as crianças comerem 'de tudo' pode ser tarefa árdua - (Divulgação)

Introduzir alimentos no cardápio das crianças é um desafio para boa parte dos responsáveis. O estresse causado pela resistência, somado à falta de informação, tornam essa fase difícil.

De acordo com a especialista Carla Deliberato, a introdução deve ser feita de forma gradual, incorporando os alimentos à medida em que a criança vai se habituando com a transição da ingestão de leite materno para alimentos sólidos e pastosos.

A fonoaudióloga especialista no tratamento da recusa e seletividade alimentar em crianças, explica que o período requer paciência e inteligência para encontrar maneiras agradáveis de fazer os pequenos entrarem em contato com os alimentos e aceitá-los naturalmente.

Confira abaixo uma lista dos alimentos mais desafiadores para as crianças que apresentam desafios sensoriais e têm seletividade alimentar, com estratégias para introduzi-los no cardápio dos mais novos:

Alimentos duros- Da mesma maneira que alimentos fibrosos criam sensações diferentes na boca, os mais secos e duros como torradas, alguns tipos de carnes e frangos grelhados devem ser servidos em pequenas quantidades, bem picados, sempre respeitando o tempo para a mastigação deles. Além disso, podem ser oferecidos com diferentes preparos e combinados com outras texturas.

Grãos  - Por serem uma textura que espalha em torno de toda cavidade oral, a criança tem mais dificuldade de organizar dentro da boca, por isso, requer mais paciência enquanto a criança reconhece e mastiga. Também devem estar bem cozidos e podem ser ofertados em forma de bolinhos, por exemplo. A estratégia de amassar um pouco pode facilitar a introdução, até que desenvolvam o paladar também; entretanto, vale considerar que o amassar deve ser uma estratégia que precisa ser passageira.

Alimentos com pouco tempero, sem sabor marcante – Pois é, muitos pais acreditam que as refeições preparadas para crianças não devem ser temperadas. Temperos industrializados possuem uma quantidade grande de sódio e conservantes que, de fato, não são saudáveis, mas os temperos naturais garantem sabor e aroma. O ser humano é muito ligado ao olfato e pode reconhecer algo apenas pelo cheiro. Comida sem sabor não é atrativa e ainda pode criar  rejeição do alimento na criança. Na medida certa, é saudável e importantíssimo para desenvolver o paladar. 

Alimentos pegajosos - Assim que é liberado pelo pediatra a introdução de alimentos, é muito importante que a criança consiga reconhecer o que é liquido e sólido. Purês de legumes, sopas cremosas são nutritivos, mas não devem ser únicos na refeição, precisam estar combinados com texturas diferentes para estimular a mastigação, caso contrário a criança pode desenvolver “preguiça” de mastigar e prejudicar a introdução de outros alimentos. É importante ressaltar que deve-se evitar bater os alimentos até que fiquem completamente pastosos, o ideal é que sejam amassados com um garfo e aos poucos deixando os alimentos em pedaços.

Alimentos com texturas fibrosas – Embora sejam essenciais para a digestão e funcionamento do corpo, a percepção da quantidade líquidos, gorduras, umidade em relação a outros alimentos pode gerar desconforto para a criança, por essa razão, Carla sugere que eles sejam introduzidos de forma gradual e combinados com texturas já conhecidas pela criança. A dica é picá-los em tamanhos menores. Se forem frutas como manga, melancia ou melão, pode ser servido primeiro mais raspados. Depois, podem ser servidos em pedaços bem pequenos e combinados com outras frutas já aceitas. É possível também ofertar em forma de suco até a que criança se acostume com a textura fibrosa da fruta na boca, o que deve ser algo temporário. Já as carnes, inicialmente elas podem ser ofertadas mais processadas (ex: hamburguinho caseiros ou almôndegas) e posteriormente podem ser ofertadas bem cozidas e em pedaços bem pequenos, pois isso facilita a aceitação da textura na boca da criança e também contribuiu para o aprendizado gradual da mastigação.

Jornal Midiamax