MidiaMAIS

MS recebe 78 milhões em investimentos para a cultura após prejuízos na pandemia

Montante faz parte do pacote de ações “Retomada MS”, que destina investimentos aos setores mais afetados pela pandemia no Estado

Nathália Rabelo Publicado em 29/06/2021, às 14h38

Teatro Brasileiro Fora do Eixo
Teatro Brasileiro Fora do Eixo - (Foto: Thiago Costa Fotografia)

O Governo de Mato Grosso do Sul lançou o pacote de ações “Retomada MS”, destinando 763 milhões de reais aos setores que mais sofreram na pandemia, entre eles: cultura, turismo, bares e restaurantes. Desse total, R$ 78 milhões serão destinados ao setor cultural do Estado. A novidade foi divulgada na segunda-feira (28) pela Fundação de Cultura de MS.

Durante a solenidade de lançamento, que aconteceu no Centro de Convenções Rubens Gil de Camillo, foram assinados os projetos de lei “MaisCrédito MS”, “MS Cultura Cidadã”, “Incentiva mais MS Turismo” e os decretos com benefícios fiscais como isenção de ICMS e IPVA 2022 para os setores mais atingidos, e o decreto que antecipa 50% do 13% salário dos servidores públicos estaduais, já para o salário de junho, que será depositado no início de julho, com objetivo de movimentar o comércio.

Os trabalhadores da cultura também receberão auxílio emergencial no valor de R$ 1.800,00, em três parcelas de R$ 600,00 cada. Terá direito a essa ajuda quem atuou no segmento 12 meses antes do início da situação de emergência da pandemia e com cadastro na Fundação de Cultura.

Para o setor, o pacote contempla investimentos como R$ 21 milhões do FIC; R$24 milhões em novos editais como o auxílio emergencial; R$ 15 milhões em festivais novos e tradicionais; e R$ 18,65 milhões em obras de reformas do patrimônio cultural.

Reformas

Serão reformados o Castelinho (R$ 4 milhões), de Ponta Porã; o Centro Cultural José Octávio Guizzo/Teatro Aracy Balabanian (R$ 5,5 milhões); Centro de Convenções Arquiteto Gil de Camilo (R$ 5 milhões); Igreja Tia Eva (R$ 450mil); Memorial Apolônio de Carvalho (R$ 370 mil); Casa do Artesão (R$ 2,2milhões); Museu de Arte Contemporânea (R$ 186,7 mil); Igreja da Candelária (R$468 mil); Concha Acústica Helena Meireles (R$ 120 mil) e Restauro Vagão (R$ 330mil).

“Estamos apoiando os setores mais prejudicados com este pacote de investimentos para vencermos este momento e fazer com que nosso Estado continue crescendo”, disse o governador Reinaldo Azambuja.

Pacote cultural

O secretário de Estado de Infraestrutura, Eduardo Riedel, esclareceu que este é um programa inédito no Brasil, extremamente importante neste momento que estamos vivendo. “Mato Grosso do Sul está fazendo tudo o que pode para voltarmos à normalidade, inclusive para termos uma vida rica em cultura para alimentar a alma”.

Para o secretário de Cidadania e de Cultura, João César Mattogrosso, ação vai promover melhorias aos setores mais prejudicados durante a pandemia. “São todas medidas necessárias, tomadas no momento correto”.

Já o presidente da FCMS, Gustavo Cegonha, afirmou que a parte do programa de retomada destinada à cultura vai garantir ações para este ano e o ano que vem. “Nós teremos a garantia de recursos para executar nossos projetos, contemplando todas as áreas da cultura”, comemorou.

O trabalhador da área do teatro, Vítor Samúdio, falou em nome de todo o setor da cultura de Mato Grosso do Sul declarando imensa satisfação em ouvir as palavras do governador Azambuja que compreendeu o papel essencial da cultura. “Na Pandemia a maioria das pessoas buscou na cultura uma forma manter da cabeça no lugar, seja buscando livros, ouvindo músicas, assistindo filmes, etc.

Mato Grosso do Sul foi o primeiro Estado a proporcionar o auxílio emergencial, antes mesmo da chegada da Lei Aldir Blanc.De acordo com Vítor Samúdio, tudo isto é o reconhecimento de que a cultura é fundamental para a saúde mental e econômica da população. Na Pandemia a maioria das pessoas buscou na cultura uma forma manter da cabeça no lugar, seja buscando livros, ouvindo músicas, assistindo filmes, etc.

Nesta terça-feira (29), a Fundação de Cultura lançou um vídeo no seu Instagram comemorando o pacote cultural e investimentos que acontecerão no setor entre 2021 e 2022.

Jornal Midiamax