MidiaMAIS

Campo-grandense João Rosa lança música de pagode LGBT sobre relacionamento

João Rosa é um artista que está conquistando seu lugar ao sol de um jeito inovador. O campo-grandense é um dos primeiros artistas que possui um trabalho autoral de pagode LGBT no país. Irmão do também cantor Karan, integrante do Atitude 67, o rapaz já lançou o clip de “Amar Sem Sentir Culpa” e, nesta […]

Bruna Vasconcelos Publicado em 05/02/2021, às 17h03 - Atualizado em 07/02/2021, às 07h49

(Foto: Bia Terra)
(Foto: Bia Terra) - (Foto: Bia Terra)

João Rosa é um artista que está conquistando seu lugar ao sol de um jeito inovador. O campo-grandense é um dos primeiros artistas que possui um trabalho autoral de pagode LGBT no país. Irmão do também cantor Karan, integrante do Atitude 67, o rapaz já lançou o clip de “Amar Sem Sentir Culpa” e, nesta sexta-feira (5), apresenta nas redes sociais a nova música de trabalho ‘Tô Correndo de Briga’.

Conhecido e respeitado pelo público sambista em Mato Grosso do Sul, João tenta vencer a barreira da homofobia no cenário musical. Porém, nem mesmo a pandemia do coronavírus fez com que o artista desse um hiato na carreira.

A nova canção de trabalho de João tem tudo para estourar nos 4 cantos do país. Com um letra simples e que fala de “tretas” do mundo moderno, o hit se encaixa em qualquer relacionamento e não apenas no público-alvo do cantor.

“A gente até parece a Furacão da CPI tretando com a miss Bumbum ou o Léo Dias com a Anitta”, diz parte da música fazendo menção a alguns desentendimentos protagonizados por famosos nos últimos anos.

Sobre João Rosa

Dedicado e apaixonado pela profissão, João começou como cavaquista em 2011, aluno de quem ele classifica como “mestre”, Luis Café. Entre 2012 e 2013, ele fez parte do grupo Dom Brasileiro, mas precisou trocar a Cidade Morena para cursar Ciências Sociais na USP, em São Paulo. Por ter a música no sangue, João colaborou como compositor e hit gravado por Gabriel Elias, num feat com Onze:20, e voltou às rodas de samba inclusivas a comunidade LGBT chamada “As Sambixas”.

“Acredito muito no trabalho que eu fiz, fala do tema de uma maneira para cima, muito de coração. Fala de uma maneira singela e isso faz toda a diferença para você transmitir uma mensagem. Existem pessoas que, por conta do preconceito, não vão querer ouvir. Está tudo certo porque nenhum artista do país faz música para todo mundo.”

Jornal Midiamax