MidiaMAIS

500 anos da morte de Da Vinci, um dos maiores gênios da humanidade

Leonardo di Ser Piero da Vinci nasceu em 1452 em Anchiano, República de Florença, atual Itália. Um dos grandes mestres da arte e engenharia, Da Vinci é considerado um pensador além de seu tempo. Mais conhecido por ser o autor por trás da pintura de Monalisa e seu misterioso sorriso, da Última Ceia e o […]

Carlos Yukio Publicado em 02/05/2019, às 13h00

None

Leonardo di Ser Piero da Vinci nasceu em 1452 em Anchiano, República de Florença, atual Itália. Um dos grandes mestres da arte e engenharia, Da Vinci é considerado um pensador além de seu tempo. Mais conhecido por ser o autor por trás da pintura de Monalisa e seu misterioso sorriso, da Última Ceia e o Homem Vitruviano, o inventor tinha idéias que na época não eram factíveis, mas que hoje, 500 anos após sua morte em 2 de maio de 1519, fazem parte do nosso dia-a-dia.

Além de pintor, Da Vinci também era um grande engenheiro, inventor e cientista. Confira algumas das invenções do gênio:

Robô Humanoide

500 anos da morte de Da Vinci, um dos maiores gênios da humanidade

Robô de Leonardo (ou cavaleiro mecânico de Leonardo) foi um autômato humanoide desenhado e possivelmente construído por Leonardo da Vinci por volta do ano 1495.

Anotações sobre o design do robô aparecem em cadernos que foram redescobertos na década de 1950.É dito que Leonardo apresentou a máquina em uma celebração organizada por Ludovico Sforza no tribunal de Milão em 1495. Todo o sistema robótico era operado por uma série de roldanas e cabos. Desde a descoberta do caderno, o robô foi construído fielmente com base no design de Leonardo e descobriu-se que é totalmente funcional.

O robô é descrito como sendo coberto por uma armadura medieval alemã-italiana, e é capaz de fazer vários movimentos parecidos com humanos. Ele é parcialmente resultado da pesquisa anatômica de Leonardo no cânone das proporções, conforme descrito no Homem Vitruviano.

Helicóptero

500 anos da morte de Da Vinci, um dos maiores gênios da humanidade

O “helicóptero” de Leonardo da Vinci, ou parafuso helicoidal aéreo, ou simplesmente parafuso aéreo, foi mais um dos projetos extremamente inovadores de Leonardo da Vinci.

Esse projeto foi desenhado em 1493, 450 anos antes do que o que conhecemos hoje como um helicóptero, voasse pela primeira vez. Da Vinci até pensou na segurança dos pilotos e inventou o paraquedas. O paraquedas em questão tem formato cônico e um sistema de armações de madeira para reforço, que serviria também como ponto de apoio para o paraquedista.

Tanque de guerra

500 anos da morte de Da Vinci, um dos maiores gênios da humanidade

Para projetar máquinas voadoras, Da Vinci buscava inspiração nos movimentos e na anatomia dos pássaros. Da mesma forma, tudo indica que ele tenha se inspirado em uma tartaruga para desenvolver seu tanque de guerra – outro projeto que nunca saiu do papel. O esboço do tanque foi feito na época em que o gênio florentino era um dos integrantes do séquito do duque Ludovico, o Mouro, de Milão.

De acordo com as anotações do próprio Leonardo da Vinci, o tanque foi projetado para servir a um objetivo tático bem definido: o de assustar o inimigo e abrir a maior brecha possível em suas fileiras, de modo que os soldados de infantaria aliados conseguissem empreender um ataque fulminante e decisivo.

Equipamento de mergulho

500 anos da morte de Da Vinci, um dos maiores gênios da humanidade

Além de obcecado pelo ar, Leonardo Da Vinci também mostrou inquietação pelas coisas subaquáticas. No caso do equipamento de mergulho, o objetivo era possibilitar o ataque de embarcações por baixo. O traje foi imaginado em couro, com visor de vidro para e canal respirador (snorkel) feito em cana.

Canhão de trinta e três canos

500 anos da morte de Da Vinci, um dos maiores gênios da humanidade

Frustrado com a demora no tempo de recarga das armas de fogo em sua época, Da Vinci resolver criar o protótipo de um canhão de trinta e três canos. O aparato deveria conter três fileiras de 11 mosquetes sobre rodas, de forma que enquanto o soldado atirava com uma fileira de armas, a outra era recarregada.

Jornal Midiamax