MidiaMAIS

Última parte de trilogia, Guardiões é apresentado neste final de semana

Erva mate, Guerra do Paraguai e Pantanal. Esses foram os temas abordados na trilogia de espetáculos feito pelo Teatral Grupo de Risco. A última parte desta saga, a peça “Guardiões”, será apresentada neste final de semana, no teatro de bolso do Circo do Mato, com sessões nesta sexta-feira (8), sábado (9) e domingo (10), sempre às […]

Mariana Lopes Publicado em 08/06/2018, às 09h41 - Atualizado às 10h22

None

Erva mate, Guerra do Paraguai e Pantanal. Esses foram os temas abordados na trilogia de espetáculos feito pelo Teatral Grupo de Risco. A última parte desta saga, a peça “Guardiões”, será apresentada neste final de semana, no teatro de bolso do Circo do Mato, com sessões nesta sexta-feira (8), sábado (9) e domingo (10), sempre às 19h.

A encenação apresenta um Pantanal sui generis, provocando questionamentos na plateia. Os habitantes possuem uma relação simbiótica com o território que habitam e que, gradativamente, vão sendo expulsos da região. Os personagens sentem-se em desequilíbrio, assim como todo o ambiente, e enfrentam dificuldades com o novo sistema que se estabelece.

É uma encenação limpa, seca, que apresenta o modelo de “desenvolvimento” oferecido à nossa sociedade pelo sistema econômico vigente no mundo. O universo abordado é retratado de forma sintética: o cenário virtual, infinito e neutro, as cores só aparecem ao longe.

Os atores são personagens que quase se confundem com o cenário, são quase invisíveis, a dureza do território está entranhada em seu modo de ser, de lutar, possuem uma simbiose bem peculiar e, ora animais, ora homens, vivem nesse cenário chamado pantanal, muito embora o tema tratado seja sério, há momentos lúdicos, delicados e também com toques de ironia e sátira.

Trilogia

A trilogia começou em 2008. Antes da pesquisa sobre o Pantanal, o Teatral  Grupo de Risco produziu outros dois espetáculos: “Mbureo – A saga dos Ervais”, que traz a questão sobre o exploração da erva mate e, consequentemente, parte da história de Mato Grosso do Sul. E “Guaicuru – Histórias de Admirar”, que retrata parte da Guerra do Paraguai, a divisão de terras, a exploração do trabalho, um pouco da história dos índios cavaleiros Kadweus.

Curtas temporadas

A apresentação do espetáculo “Guardiões” faz parte das curtas temporadas do projeto “Um Ciclo de Vida – Percursos e Percalços”, do Circo do Mato. A proposta é oferecer ao público peças produzidas por grupos de Campo Grande, com diferentes olhares e linguagens de cada companhia.

Realizado pelo Circo do Mato desde o início de 2018, com outras ações paralelas, o projeto foi aprovado pelo edital FomTeatro 2017, da Sectur (Secretaria de Cultrua de Turismo) e Prefeitura Municipal de Campo Grande.

Já se apresentaram em curta temporada: Circo do Mato com o espetáculo “Os Corcundas”, Ubu Grupo de Artes Cênicas com “Uma Moça da Cidade” e Núcleo Jair Damasceno com “Salomé F.P.”; em junho o Teatral Grupo de Risco apresenta “Guardiões, Julho ficará por conta do Teatro Imaginário Maracangalha com ” Tragicomédia de Don Cristóvão e Sinhá Rosinha” e agosto o Grupo Casa apresenta “Romeu e Julieta”.

Teatro de bolso

Os espetáculos são apresentados no teatro de bolso do Circo do Mato, que fica na rua Tônico de Carvalho, 263, bairro Amambai, em Campo Grande. Ao término do projeto, o grupo manterá apresentações periódicas no espaço, com espetáculos próprios ou não.

Jornal Midiamax