MidiaMAIS

Prédio histórico do ‘Castelinho’ terá seu uso e destino discutidos em audiência

Sectei discute destino do monumento

Daiane Libero Publicado em 04/05/2016, às 12h41

None
img_4436ggggg.jpg

Sectei discute destino do monumento

Prédio histórico do 'Castelinho' terá seu uso e destino discutidos em audiênciaApós anúncio de sua restauração, o prédio histórico conhecido como Castelinho, que fica em Ponta Porã, na região de fronteira de Mato Grosso do Sul, terá audiência pública realizada pela Sectei (Secretaria de Cultura, Turismo, Empreendedorismo e Inovação de MS), para ouvir a opinião da população sobre as obras que vão viabilizar reforma do monumento. “A intenção é dar voz à comunidade, valorizar a identidade cultural da região e despertar o sentimento de pertencimento para que a população se aproprie do espaço”, enfatiza o secretário Athayde Nery.

O prédio foi erguido entre os anos de 1920 e 1930, e protagonizou inúmeras polêmicas ao redor dos bens protegidos e em fase de tombamento do Mato Grosso do Sul. Foi utilizado na década de 1940 como uma base da Guarda Nacional na região de fronteira, durante o governo de Getúlio Vargas. Demorou quatro anos para ficar de pé, sendo entregue em 1930, nas imediações da antiga estação Noroeste do Brasil. Teve financiamento do governo Federal e da Companhia Matte Larangeira.

No final da década de 1940, o local passou a funcionar como uma cadeia pública e, posteriormente, como quartel do 4ª Companhia Independente da Polícia Militar. Entretanto, a transferência da corporação para um prédio mais moderno em Ponta Porã, no fim da década de 1990, foi a ruína do prédio, que ficou sem função e, consequentemente, abandonado. O prédio foi tombado como patrimônio público em 4 de novembro de 1996. Em 2013, o MPE (Ministério Público Estadual) entrou com uma ação para exigir a reforma do espaço, após queixas da população. 

A audiência pública sobre o Castelinho acontece no próximo dia 10 de maio, às 14 horas, na Câmara de Vereadores de Ponta Porã, na avenida Brasil, número 3470. 

Jornal Midiamax