MidiaMAIS

No dia do café aprenda uma receita que leva sorvete e leite condensado

Cafezinho do dia a dia, que o brasileiro ama

Carol Alencar Publicado em 14/04/2015, às 09h08

None
11.jpg

Cafezinho do dia a dia, que o brasileiro ama

Pode até parecer clichê, mas o cafezinho é considerado a bebida que mais agrada os brasileiros. Em Campo Grande não é diferente. Mesmo tendo o tereré como tradição, o café está disparado e faz parte do ritual de bom dia de quase todo mundo.

Em 14 de abril, comemora-se o Dia Internacional do Café, e o MidiaMAIS procurou exclusivamente aos nossos leitores, algumas receitinhas básicas para servir o café, tanto quente, quanto gelado – sim, gelado e com sorvete.

A tradicional cafeteria Fran’s Café – especializada em grãos arábicos – nos recebeu para mostrar parte de seu cardápio gourmet. Mesmo tendo o café como carro-chefe, os acompanhamentos da bebida é que fazem a diferença.

A mescla de café, chantilly, caldas adocicadas e até leite condensado tem agradado o paladar de quem procura o estabelecimento para apenas servir o tradicional café preto.

“A gente expandiu um pouco a cultura de só tomar o cafezinho tradicional; além de ter ele no cardápio, o que também é bastante pedido pelos clientes, inovamos com outras opções, quentes com doces e geladas com sorvete”, acrescenta o empresário Diego Portela, 34 anos.

Além do tradicional cafezinho preto, coado na hora e que vem acompanhado de uma barrinha de chocolate, ele indicou duas outras receitas de cafés gourmets – uma opção de sobremesa e outra gelada.

Para a opção gelada, o escolhido foi o ‘Café Silvestre’, que é acompanhado de café expresso, sorvete de creme, calda de morango, chantilly e raspas de chocolate. Já para a opção sobremesa, o empresário apresentou o Café Bombom, que é bem simples, café e leite condensado.

A responsável por montar os drink’s de café foi a coordenadora da loja, Fabiana Rodrigues, que há quatro anos dedica seu tempo, na cafeteria. “Mesmo trabalhando numa cafeteria eu não deixo de tomar meu cafezinho assim que acordo, é ele que me deixa animada para o dia todo”, revela.

O nome, café gourmet é estilizado, porem tem um significado, só é gourmet por ser feito com grãos arábico que é, segundo o empresário, um grão mais trabalhado, pensado e selecionado.

“O arábico é diferente do clássico, o cafezinho feito de grão ‘conilon’- aquele que é vendido no supermercado – a maneira que ele (o arábico) é torrado é que vai dar o gosto do café; muitas vezes ele é servido até sem açúcar, pelo menos o primeiro gole”, explica.

Receitinha

Café Bombom: coloque duas colheres de leite condensado num copo e acrescente o café e pronto.

Café Silvestre: decore o copo com a calda de morango, acrescente uma bola de sorvete, um copo de café e o chantilly. Decore a taça com chocolate raspados e sirva. Simples e prático.

Historinha do Café

O café começou a ser produzido nas terras altas da Etiópia, mas foi através do Egito e da Europa que ele se difundiu para o restante do mundo. Em 1727, o governador do Estado do Grão-Pará enviou o sargento-mor Francisco de Melo Palheta em uma viagem, encarregando o oficial de conseguir trazer algumas mudas de café para plantação. Na Guiana Francesa, o sargento conseguiu ganhar a confiança da esposa de um importante político de lá, e foi ela quem deu uma muda de café-arábico, trazida para o Brasil de forma clandestina.

Hoje em dia, os brasileiros são responsáveis pelo consumo anual de 20 milhões de sacas de café, o que equivale a 173 bilhões de xícaras.

Jornal Midiamax