Geral

VÍDEO: pessoas se 'penduram' em avião para tentar deixar Afeganistão; há relato de mortos

Imagens impressionantes mostram desespero no país após tomada de poder do Talibã

Gabriel Maymone Publicado em 16/08/2021, às 09h43

Confusão e tumulto no aeroporto de Cabul
Confusão e tumulto no aeroporto de Cabul - Reprodução

Imagens mostram pessoas desesperadas tentando fugir do Afeganistão, na noite de domingo (15), após o grupo terrorista Talibã anunciar a tomada de poder no país. Houve confusão no aeroporto de Cabul na noite de domingo, com pessoas tentando até se pendurar em aviões que deixavam o país. Há relato de confusão e mortos.

As imagens que circulam em redes sociais mostram pessoas desesperadas no saguão, áreas de embarque e desembarque e na pista de pouso e decolagem, onde há carros blindados do exército tentando resguardar as aeronaves.

O Boeing foi enviado pelos Estados Unidos para ajudar a tirar algumas pessoas do país, porém, uma multidão tomou a pista e alguns tentaram se pendurar na aeronave para sair do Afeganistão, já que só é possível sair do país por vias aéreas. O voo, porém, não tem destino certo, uma vez que o Catar se recusou a recebê-lo.

Veja o vídeo:

Confusão e mortes

O jornal americano The Wall Street Journal fala em três mortos por armas de fogo.

A agência de notícias Reuters cita relatos de testemunhas de que cinco pessoas foram mortas, sem dizer se as vítimas foram atingidas por disparos de armas de fogo ou pisoteadas durante a confusão.

Os voos comerciais foram cancelados e apenas viagens militares ocorrem no local. "Por favor, não venha para o aeroporto", disse uma autoridade do aeroporto.

Durante o tumulto, tropas dos EUA, que estavam no aeroporto para ajudar os cidadãos americanos a embarcarem, atiraram para o alto. "A multidão estava fora de controle", afirmou um oficial à Reuters. "O disparo foi feito apenas para neutralizar o caos."

Entre domingo e segunda, voos comerciais foram suspensos e grandes companhias aéreas, entre elas a Emirates e a United Airlines, anunciaram que, por enquanto, vão evitar o espaço aéreo afegão.

Jornal Midiamax