Geral

VÍDEO: Sindicalista compara categorias e gera onda de reclamações na internet

Agente trabalha no sol quente, enquanto enfermeiros estão no ar-condicionado, diz sindicalista 

Midiamax Publicado em 12/02/2015, às 14h51

None
marcos_tabosa_print.jpg

Agente trabalha no sol quente, enquanto enfermeiros estão no ar-condicionado, diz sindicalista 

A divulgação de um vídeo no qual o presidente do Sisem (Sindicato dos Servidores e Funcionários Municipais de Campo Grande), Marcos Tabosa, compara o trabalho de agentes de saúde ao de diretores do setor e enfermeiros, causou revolta entre profissionais da saúde. As imagens mostram o sindicalista convocando os agentes comunitários para uma passeata e, durante o discurso, ele afirma que quem ocupa cargo de direção, além do pessoal da enfermagem, é favorecido com melhores condições de trabalho.

O vídeo, de pouco mais de 1min30, foi postado no próprio perfil de Tabosa no Facebook. Nele, Marcos aparece acompanhado de um homem, identificado como Willian, e faz discurso destacando a alta temperatura na qual os agentes comunitários de saúde trabalham, fazendo comparações com o ambiente de trabalho dos enfermeiros e gerentes das unidades.

“Queremos melhor qualidade de vida pra você agente comunitário de saúde. Eu venho aqui convocar vocês pra grande passeata porque os gerentes [das unidades] e os enfermeiros estão no ar-condicionado e você agente comunitário de saúde tendo de enfrentar um sol de mais de 35ºC”, fala Tabosa.

O vídeo recebeu vários compartilhamentos e comentários nas redes sociais. Uma enfermeira da Rede Municipal de Saúde, que preferiu não se identificar, diz que as declarações de Tabosa provocam discórdia entre as categorias. Ela enfatiza que o ambiente de trabalho dos enfermeiros não é tão boa quanto sugere o presidente do Sisem.

“É muito pejorativo e agressivo porque o protocolo do agente é claro. É obvio que ele vai enfrentar exposição ao sol porque trabalha na rua. Inclusive, uma lei antiga especifica que eles teriam de receber protetor solar e isso só começou a acontecer há pouco tempo, disso ele não fala. No meu caso, estou no ar-condicionado porque eu e outros três enfermeiros pagamos o conserto do aparelho que estava estragado há mais de um ano e, mesmo com as solicitações, ninguém veio arrumar. A  gerente da unidade onde trabalho também fica sem ar-condicionado porque na sala dela simplesmente não tem”, relata. 

Na internet, vários enfermeiros e agentes de saúde se manifestaram contra o posicionamento do presidente do Sisem. À reportagem, o vice-presidente do Sinte PMCG (Sindicato dos trabalhadores da Enfermagem da Prefeitura Municipal de Campo Grande), Angelo Evaldo Macedo, afirma ter visto o vídeo, mas, no entanto, não vai se posicionar a respeito do fato até que haja uma reunião entre os diretores do sindicato.

“Não posso tomar postura de dizer o que acho sobre isso tudo. Ficamos de fazer uma reunião para avaliar essa questão. Vi o vídeo em que ele faz essa declaração, mas eu prefiro não pontuar nada enquanto a diretoria não se reunir”, justifica.

A vice-presidente do Siems (Sindicato dos Trabalhadores na Área de Enfermagem de Mato Grosso do Sul), Helena Delgado, que também visualizou o vídeo, comenta a declaração feita pelo diretor do Sisem. No entanto, destaca que o posicionamento sobre o fato deve ser pronunciado pelo Sinte.

“Ele foi muito infeliz na colocação. É lamentável o comentário. A gente sabe que toda a equipe de agentes de saúde e de enfermagem são coordenados por enfermeiros que também saem a campo e que os postos não têm ar-condicionado, caso contrário, a população não reclamaria tanto. Ele colocou como se fosse um ambiente de lazer e não é, mas quem pode falar melhor sobre isso é o sindicato responsável pelos enfermeiros da rede municipal de saúde”, declara.

Questionada a respeito do assunto, a assessoria de comunicação da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública) diz que o chefe da pasta não vai se posicionar a respeito do caso. A reportagem do Jornal Midiamax também entrou em contato com o Coren/MS (Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso do Sul) e, em nota, o presidente, Diogo Nogueira do Casal, considera “inoportuna e infeliz”, a declaração feita por Tabosa.

“Lamentamos o discurso inflamado do diretor do Sisem, Marcos Tabosa, que ao invés de unir forças, tenta semear a desunião, enfraquecendo a luta de todas as categorias de trabalhadores da área de saúde, o que afirmamos, sem hesitação ou qualquer receio é, em síntese, um desserviço para todos os profissionais”, observa.

A passeata anunciada pelo presidente do Sisem será realizada às 16 horas, do dia 26 deste mês, no cruzamento da Avenida Afonso Pena com a Rua Rio Grande do Sul.

“A categoria dos agentes comunitários é a que mais trabalha, entra dentro das residências, pesa crianças e não podemos deixar que eles sejam massacrados pelos enfermeiros e gerentes de postos. Eu defendo o servidor organizado”, disse Tabosa à reportagem do Midiamax.

Abaixo, na íntegra, a nota publicada pelo Coren.

O Coren-MS (Conselho Regonal de Enfermagem de Mato Grosso do Sul), através de seu presidente interventor, Diogo Nogueira do Casal, credita como infeliz e inoportuno o discurso do diretor do Sisem, Marcos Tabosa, através de vídeo publicado nas redes sociais, revelando completo desconhecimento da real situação que envolve todos os profissionais de enfermagem, bem como todos os profissionais da área da saúde, no desempenho de suas funções.

A realidade é bem diferente daquela retratada na manifestação da liderança do Sisem, que postou o vídeo ora criticado pelo Coren-MS. Ao contrário do que Tabosa disse no vídeo “que gerentes e enfermeiros, que estão no ar condicionado”, os profissionais da enfermagem (enfermeiros, auxiliares e técnicos em enfermagem), não estão desempenhando suas funções apenas em ambientes dotados de ar condicionado, exceto quando existir a exigência técnica para tanto, como é o caso, por exemplo, das salas de cirurgia, UTI, unidades coronarianas, unidades de hemodiálise e etc. O que não corresponde à realidade a todas unidades de saúde e atendimento de saúde coletiva.

É inegável e a história da enfermagem brasileira, desmente a afirmação de que os enfermeiros, auxiliares e técnicos em enfermagem, estão ausentes das lutas e das conquistas relativas as melhorias das condições salariais e daquelas que dizem respeito ao próprio ambiente de trabalho, buscando sempre resgatar a dignidade dos profissionais para que possam fielmente desempenhar as suas funções e ter seus direitos trabalhistas garantidos, amparados pelo Código de Ética da Enfermagem.

Lamentamos, portanto, que o discurso inflamado do diretor do Sisem, Marcos Tabosa, que ao invés de unir forças, tente semear a desunião, buscando enfraquecer a luta de todas as categorias de trabalhadores da área de saúde, o que afirmamos, sem hesitação ou qualquer receio é, em síntese, um desserviço para todos os profissionais e a sociedade. 

*Texto editado às 13h42 para acréscimo de informações

Jornal Midiamax