Geral

Jiboia de 2 metros é achada por jardineiro em condomínio de luxo na Capital

Réptil estava em um jardim, aparentemente dormindo, quando foi flagrado por funcionário

Midiamax Publicado em 07/01/2015, às 12h39

None
interna.jpg

Réptil estava em um jardim, aparentemente dormindo, quando foi flagrado por funcionário

Uma jiboia de aproximadamente dois metros e meio foi encontrada dentro de um condomínio de luxo no Parque dos Poderes, região nordeste de Campo Grande, na manhã desta quarta-feira (7). O réptil estava no jardim, aparentemente dormindo, quando foi flagrado pelo jardineiro que fazia a manutenção do local.

O funcionário chamou um morador do condomínio Terra Ville, que fica na Rua do Poeta, que foi até o quartel dos bombeiros, localizado também no Parque dos Poderes, para fazer a denúncia. Em seguida, a equipe esteve no local e fez o resgate da cobra, ocasião em que ela já estava agitada.

Os militares do Corpo de Bombeiros informaram à equipe do Jornal Midiamax que a jiboia possivelmente tenha saído da mata que fica no entorno e se alojou no jardim. Ela foi encaminhada para a PMA (Polícia Militar Ambiental) e posteriormente será levada ao CRAS (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres), onde passará por avaliação.

Segunda jiboia

A jiboia de aproximadamente dois metros e meio encontrada na manhã de hoje no condomínio é a segunda resgatada pelo Corpo de Bombeiros e levada para a PMA, em menos de 24 horas. Na tarde de terça-feira (6), outra cobra, da mesma espécie, de pelo menos um metro e meio foi encontrada no pátio do TCE (Tribunal de Contas do Estado), também no Parque dos Poderes.

De acordo com a bióloga da PMA Maria Isabel Rossi, a cobra recebida no na terça-feira(6) já foi solta. “Ela foi deixada em Corguinho. Mesma atitude que será adotada com a jiboia encontrada nesta quarta-feira, pois ela será devolvida ao habitat natural. Para isso, temos parceria com 68 fazendas que recebem este tipo de animal”, explica.

A bióloga ressalta que o surgimento deste tipo de réptil se dá pelo crescimento da cidade. “As casas estão invadindo a área delas e por isso elas começam a aparecer para procurar alimentos, já que eles também se tornam escassos com este ‘progresso’”, afirma.

Jornal Midiamax