Geral

VÍDEO: Com som nas alturas, evento sertanejo teve pancadaria e ‘strip-tease’

O grande evento da música sertaneja Villa Mix, realizado no fim de semana em Cuiabá, no Memorial do Papa João Paulo 2º, é o assunto do momento nas redes sociais. O evento que contou com mais de 10 mil pessoas, além de pancadaria teve até show de “strip-tease”. O interessante, notar que, é visível o […]

Arquivo Publicado em 25/03/2014, às 19h02

None

O grande evento da música sertaneja Villa Mix, realizado no fim de semana em Cuiabá, no Memorial do Papa João Paulo 2º, é o assunto do momento nas redes sociais. O evento que contou com mais de 10 mil pessoas, além de pancadaria teve até show de “strip-tease”. O interessante, notar que, é visível o despreparo da segurança do show que não souberam conter a briga generalizada. É possível ver seguranças e jovens saindo “no tapa”.

Já em outro vídeo, uma jovem, aparentemente bêbada, literalmente “desceu do salto”, e ficou completamente nua. O fato ocorreu no final da festa. Ela estava com um vestido azul, próximo dos seguranças e técnicos de som do evento, quando começou a fazer o “striper”. O mais chocante nas cenas da jovem nua é que os seguranças, em vez de evitar a exposição da jovem, eles  trataram de filmá-la e jogar nas redes sociais.

O evento foi alvo de denúncias por parte do Portal 24 Horas News, na última semana, quando o produtor cultural e músico cuiabano Wilson Conceição Lara de Barros, criticou o “apartheid cultural”, entre os eventos que acontecem em Cuiabá e região. Barros apresentou uma notícia-crime requerendo que fosse impedida a realização do evento, por causa do crime de poluição sonora. Em vão! Como das outras ocasiões, o som foi às alturas e nenhum órgão ou autoridades se manifestou.

Na ação, o produtor cultural citou o Juizado Volante Ambiental, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, a Delegacia do Meio Ambiente e a Promotoria de Justiça do Meio Ambiente. “O cumprimento dos limites de decibéis previstos na Lei Municipal nº 3.819/1999 , é rigidamente exigido nos eventos de cultura regional e é deixado de lado quando se trata de grandes shows com artistas nacionais” – denunciou.

Wilson também apresentou uma série de denúncias feitas anteriormente contra os chamados megaeventos realizados em Cuiabá e que não receberam o devido tratamento por parte das autoridades governamentais responsáveis pelo controle ambiental.

Lara disse que as instituições públicas, por outro lado, “atacam” nas reuniões de jovens, festas de rasqueado, festas de lambadão, festas de cururu, festas de siriri, festas de pagode, festas de aniversário, festas de casamento realizadas nas periferias pobres de Cuiabá. Todas as vezes em que são ultrapassados os limites de decibéis previstos na Lei Municipal nº 3.819/1999, há a interdição dos eventos, apreensão dos equipamentos de som e a responsabilização penal, civil e administrativa dos organizadores dos eventos.


Jornal Midiamax